Pesquisas sugerem vitória da chapa de Kirchner nas primárias da Argentina

Com alto número de comparecimento, Alberto Fernández aparece com vantagem sobre Maurício Macri, atual presidente da Argentina

Alberto FernándezAlberto Fernández - Foto: ALEJANDRO PAGNI / AFP

As primeiras pesquisas de boca de urna divulgadas após o fim da votação das primárias na Argentina mostraram uma vantagem do candidato de oposição, Alberto Fernández  (que tem a ex-mandatária Cristina Kirchner como vice) sobre a chapa liderada pelo atual presidente, Mauricio Macri. Segundo dados oficiais, o comparecimento foi alto, com a participação de 75% dos eleitores - o voto é obrigatório no país.

Os números exatos do levantamento, porém, ainda não foram divulgados por causa de uma decisão judicial, que permitiu apenas a divulgação de quem está na liderança.
O segredo sobre os números foi uma determinação da juíza federal Maria Servini de Cúbria, em uma tentativa de impedir as confusões registradas em anos anteriores durante a contagem nos votos.

Leia também
Pesquisas sugerem vitória da chapa de Cristina Kirchner nas primárias da Argentina
Polarização entre Macri e Cristina chega a apps de paquera na Argentina


Os problemas em geral ocorriam porque os resultados eram divulgados quase em tempo real, fazendo com que muitas vezes um candidato aparecesse na frente no começo da apuração porque um reduto seu foi contabilizado primeiro. No final, porém, este candidato acabava caindo, gerando indignação nos seus apoiadores.

Foi para evitar isso que a juíza determinou que os resultados da apuração extraoficial (feita pelos partidos) só pode ser divulgada depois das 21h locais (o horário é o mesmo de Brasília). Já os números oficiais só vão começar a ser anunciados após mais de 10% dos votos serem contabilizados -a expectativa é que isso ocorra até às 22h.

O clima, porém, era já de festa no fim do dia do lado da oposição, que começou cedo a encher o espaço do comitê kirchnerista, na avenida Corrientes. A expectativa é que Alberto Fernández chegue ao local por volta das 20h.

Além de liderar a boca de urna, as pesquisas internas das duas chapas, divulgadas no sábado (10) já apontavam uma vitória de Fernández sobre Macri por uma diferença de 2 a 4 pontos percentuais, dentro da margem de erro.

Por outro lado, também havia animação, embora mais contida, entre apoiadores do atual governo, no espaço tradicional de suas comemorações, o espaço comercial de Costa Salguero.

Durante o dia, os candidatos e suas militâncias eram puro sorriso e festa. Alberto Fernández saiu com seu cachorro, Dylan, para passear, em roupa esportiva, logo cedo. "Ele não sabe que tem eleição", riu para os jornalistas.

Depois, já vestido um pouco mais formal, de blazer, mas sem gravata, foi ao centro de votação. Teve apenas um inconveniente com jornalistas que cruzavam seu caminho. Conhecido por ter modos um pouco grosseiros com a imprensa, fez gestos para que não atrapalhassem sua caminhada.

Macri, como sempre, foi votar em Palermo um pouco mais tarde, por volta do meio-dia , também de bom humor e fez um pequeno discurso dentro do que permite a lei, que veda propaganda política. Um grupo de opositores gritava de um canto: "Pode recolher suas coisas que você já vai embora".

Os dois candidatos a vice, Cristina Kirchner, (de Fernández), e Miguel Ángel Pichetto (de Macri), votaram em suas Províncias, no sul do país -ela em Santa Cruz e ele em Río Negro, ambos na Patagônia.

Mesmo assim, os votos seguiram em harmonia e não houve informações de falta de cédulas ou de irregularidades graves. Por outro lado, nas redes sociais, as agressões de um lado a outro estavam abaixo do nível do publicável.

A hashtag mais leve contra o kirchnerismo era o famoso "#novuelvenmas" (não voltam mais), já o anti-governo ia na linha de "#chaumacrigato" (adeus, Macri "gato", uma gíria carcerária de baixo calão com a qual o presidente é conhecido).

As chamadas "paso" (primárias abertas, simultâneas e obrigatórias) foram criadas em 2009, com a intenção de diminuir o número de candidaturas que concorriam na eleição. As chapas que obtêm menos de 1,5% dos votos nessa etapa não podem concorrer no primeiro turno, marcado para 27 de outubro. Já o segundo turno, se necessário, será em 24 de novembro. Além disso, a votação funciona como uma espécie de prévia, mostrando quanto de apoio cada candidato tem.

Como é o sistema eleitoral argentino

Senado

País é dividido em 24 distritos eleitorais (8 deles têm votação em 2019), cada um com três senadores e o eleitor vota apenas no partido; a sigla mais bem votada em cada distrito tem direito a dois senadores e a segunda, a um.

Câmara
Estarão em jogo metade das vagas em cada um dos 24 distritos (um total de 130 das 257 cadeiras); o eleitor também vota apenas no partido, que tem uma lista fechada de candidatos; as vagas são então distribuídas de maneira proporcional de acordo com os votos recebidos pela sigla.

Presidência
Sistema é semelhante ao brasileiro, em que cada eleitor vota em uma chapa formada por um titular e um candidato a vice; para vencer em 1º turno, o candidato precisa conseguir mais de 45% dos votos ou conquistar mais de 40% e ter uma diferença superior a 10% do segundo colocado; caso nada disso aconteça, há o segundo turno.

Calendário eleitoral

11.ago (primárias)
Na votação realizada neste domingo, que é obrigatória, as chapas para o Legislativo e o Executivo precisam obter mais do que 1,5% dos votos para avançar para a próxima etapa.

27.out (1º turno)

Além do pleito presidencial, eleitores também irão votar para renovar metade da Câmara, um terço do Senado e a maior parte dos governos locais.

24.nov (2º turno)
Ocorre apenas nas votações para presidente, governadores de província e prefeito de Buenos Aires.

Veja também

Carro-bomba mata 30 membros das forças de segurança afegãs
Atentado

Carro-bomba mata 30 membros das forças de segurança afegãs

Trump perde outro recurso contra o resultado das eleições
EUA

Trump perde outro recurso contra o resultado das eleições