Premiê da Itália renuncia após derrota em referendo

Proposta de Matteo Renzi de reformar a Constituição foi rejeitada por eleitores

Paulo Câmara vai abrir debate sobre Previdência se estados e municípios ficarem fora do texto da reformaPaulo Câmara vai abrir debate sobre Previdência se estados e municípios ficarem fora do texto da reforma - Foto: Rafael Furtado/Folha de Pernambuco

O premiê da Itália, Matteo Renzi, renunciou no último domingo (4) após a derrota do referendo que havia convocado. "A experiência do meu governo termina aqui", afirmou.
Eleitores rejeitaram a sua proposta de reformar a Constituição. Não há ainda um resultado definitivo até aqui, mas a contagem nas urnas aponta que mais de 60% dos eleitores votaram pelo "não".

Em um emotivo discurso à 0h30 local (21h30 em Brasília), Renzi assumiu a responsabilidade pela derrota e afirmou não crer em um modelo "em que todos criticam o sistema por décadas e então não querem mudá-lo". A derrota do premiê italiano é uma derrota também para a União Europeia, favorecendo movimentos populistas como o Cinco Estrelas, antissistema, e o Liga Norte, partido contrário à migração.

Matteo Salvini, o líder da Liga Norte, comemorou a vitória do "não" com uma mensagem na rede social Twitter: "Viva Trump e viva Putin". Marine Le Pen, da extrema direita francesa, também celebrou o "não". O premiê italiano havia proposto e defendido a reforma na Constituição, a maior mudança no texto desde a Segunda Guerra (1939-1945).

Com sua ameaça de renunciar no caso de o referendo não ser aprovado, o voto passou a ser visto como uma maneira de punir o governo. O grau da derrota indica a dimensão da insatisfação.

Renzi assumiu o cargo em 2014 como uma promessa política. Mas sua popularidade está em queda devido à persistência dos entraves econômicos, apesar das promessas do governo. O PIB (Produto Interno Bruto) deve crescer 0,8% durante ano.

A crise italiana está relacionada ao restante do continente europeu, onde movimentos contrários ao "establishment" político têm se fortalecido. Um candidato da extrema-direita chegou próximo à Presidência da Áustria neste domingo (4).

O referendo italiano não estava diretamente vinculado à União Europeia. Mas analistas apontam que a vitória do "não" poderia desencadear uma crise política que culminaria em sua saída do bloco, como a votada em junho no Reino Unido.

A União Europeia e sua moeda comum, o euro, são considerados por parte da população italiana como a causa da estagnação econômica e da crise política.

Senado
Brasileiros com cidadania italiana puderam votar por correio enviando suas cédulas até 1º de dezembro. Estima-se que 30% dos cerca de 400 mil eleitores no Brasil tenham participado do referendo. Havia no total 51 milhões de possíveis eleitores. Houve campanha pelo voto, como a capitaneada pela ítalo-brasileira Renata Bueno, eleita em 2013 para a Câmara dos Deputados da Itália.

O texto votado no referendo propunha alterações na Constituição tendo em vista simplificar a burocracia do país. Por exemplo, os prazos para a aprovação de leis.
Hoje a Câmara e o Senado têm o mesmo poder na Itália. O governo afirma que a paridade emperra os processos.

Renzi propôs, portanto, que o Senado fosse esvaziado. O número de senadores diminuiria de 315 para 100 e a Casa não poderia, por exemplo, dissolver governos.
O Senado tampouco poderia aprovar leis, tornando-se assim uma espécie de órgão de consulta. Senadores só teriam poder de decisão em casos restritos, como as modificações na Constituição.

Outra mudança proposta pelo premiê era centralizar o poder em Roma, diminuindo a importância de entidades regionais. Esse ponto, em específico, foi bastante criticado como indício de demasiada concentração na capital.

Divisor
Movimentos populistas, como o Cinco Estrelas, podem beneficiar-se da insatisfação popular -mesmo que tampouco ofereçam as suas soluções à crise econômica.
Beppe Grillo, líder do Cinco Estrelas, chegou a sugerir que os eleitores votassem a partir do "instinto" e rejeitassem o referendo de Renzi.

"Não adiante eu explicar o referendo para vocês. Vocês não vão entender. Nem eu entendo", afirmou Grillo. A ideia de voto por "instinto" era estimulada pela sensação de que o referendo era técnico e complicado.

Apenas 17% da população "conhecia bem" o que estava em discussão no referendo, segundo uma pesquisa divulgada pelo canal italiano Rai. A maior parte (46%) afirmava ter um conhecimento "superficial" do voto.

Veja também

Ombudsman da UE abre investigação sobre sustentabilidade no acordo com Mercosul
União Europeia

Ombudsman da UE abre investigação sobre sustentabilidade no acordo com Mercosul

Trump diz que relações com a China foram 'seriamente afetadas'
EUA

Trump diz que relações com a China foram 'seriamente afetadas'