Premiê da Jordânia renuncia após protestos populares

Manifestantes se opõem às políticas de austeridade propostas, dentre elas a tributação de rendas modestas

Ex-premiê da Jordânia Hani MulkiEx-premiê da Jordânia Hani Mulki - Foto: Yousef Allan / Palácio Real da Jordânia / AFP

O primeiro-ministro da Jordânia, Hani Mulki, apresentou nesta segunda-feira sua renúncia ao rei Abdullah depois de cinco de dias de protestos contra as medidas de austeridade do governo.

As manifestações aconteceram na capital Amã e em outras cidades do país desde quarta-feira passada contra o aumento de preços e contra um projeto de lei para subir os impostos promovido por Amã sob pressão do Fundo Monetário Internacional (FMI) para a realização de reformas estruturais.

O rei Abdullah II defende um diálogo nacional e razoável sobre o projeto de lei do Imposto de Renda, o que desatou essas manifestações, as mais importantes do país nos últimos cinco anos. Um dos pontos do projeto visa a tributar as rendas mais modestas.

Leia também:
Protestos na Cisjordânia e na faixa de Gaza têm dezenas de feridos
Jordânia anuncia acordo com Israel sobre Esplanada das Mesquitas


Na noite de sábado (2), cerca de 3.000 pessoas se manifestaram perto do gabinete do primeiro-ministro, no centro da capital. Centenas de manifestantes também saíram às ruas das cidades de Zarqa, Balqa (leste), Maan, Karak (sul), Mafraq, Irbid e Jerash (norte).

Poucas horas antes, as negociações entre representantes dos sindicatos e o governo haviam fracassado. O FMI aprovou em 2016 uma linha de crédito de 723 milhões de dólares em três anos para o país. Em troca, a Jordânia se comprometeu em colocar em andamento reformas estruturais e reduzir progressivamente sua dívida pública até 77% do Produto Interno Bruto (PIB) em 2021, frente aos 94% de 2015.

O projeto de lei fiscal, recomendado pelo FMI, prevê um aumento de ao menos 5% dos impostos que afetará pela primeira vez as pessoas com uma renda anual de 8.000 dinares (9.700 euros). O imposto às empresas aumentará, por sua vez, de 20 a 40%.

Veja também

Brasileiros protestam em Lisboa contra o presidente Bolsonaro
Manifestações

Brasileiros protestam em Lisboa contra o presidente Bolsonaro

Pela 1ª vez, EUA celebram feriado nacional que marca fim da escravidão no país
Juneteenth

Pela 1ª vez, EUA celebram feriado nacional que marca fim da escravidão no país