A-A+

Premier iraquiano afirma que morte de Soleimani provocará 'guerra devastadora'

'O assassinato de um comandante militar iraquiano que ocupava um posto oficial é uma agressão contra o Iraque, seu Estado, seu governo e seu povo', afirmou Abdel Mahdi em um comunicado

O primeiro-ministro do Iraque, Adel Abdel MahdiO primeiro-ministro do Iraque, Adel Abdel Mahdi - Foto: Ahmad Al-Rubaye/AFP

O primeiro-ministro do Iraque, Adel Abdel Mahdi, afirmou nesta sexta-feira que o ataque americano que matou o general iraniano Qasem Soleimani e o líder paramilitar iraquiano Abu Mehdi Al Muhandisva vai "desencadear uma guerra devastadora no Iraque".

"O assassinato de um comandante militar iraquiano que ocupava um posto oficial é uma agressão contra o Iraque, seu Estado, seu governo e seu povo", afirmou Abdel Mahdi em um comunicado.

Abu Mehdi Al Muhandis era o número dois da Hashd Al Shaabi, uma coalizão de paramilitares pró-Irã integrada ao Estado.

Leia também:
Ataque dos EUA mata importante general iraniano em Bagdá
EUA anuncia proibição parcial de cigarros eletrônicos aromatizados

Embaixada americana em Bagdá
A embaixada dos Estados Unidos em Bagdá, que na terça-feira foi alvo de um ataque por uma multidão pró-Irã, recomendou a seus cidadãos que deixem o Iraque "imediatamente", poucas horas depois da morte do importante general iraniano Qasem Soleimani em um bombardeio americano.

A representação diplomática pediu aos americanos no Iraque que deixem o país "de avião enquanto é possível", já que o bombardeio aconteceu no aeroporto de Bagdá, ou "sigam para outros países por via terrestre".

As principais passagens de fronteira do Iraque levam ao Irã e a uma Síria em guerra, mas também há outras áreas de fronteira com Arábia Saudita e Turquia.

Veja também

Presidente da Shell é chamado de 'um dos perversos do mundo' em evento sobre o clima
CLIMA

Presidente da Shell é chamado de 'um dos perversos do mundo' em evento sobre o clima

Talibã anunciará 'em breve' planos de educação para as meninas, segundo a Unicef
Mundo

Talibã anunciará 'em breve' planos de educação para as meninas, segundo a Unicef