Premier italiano diz que Londres não terá privilégios fora da UE

Advertência de Renzi é a mais recente de uma longa lista feita por líderes europeus, que revelam o mal-estar com o Reino Unido

Ramon SchnayderRamon Schnayder - Foto: Divulgação

O Reino Unido não deve esperar acabar com mais direitos que outros países fora da União Europeia quando sair do bloco europeu, avisou nesta quinta-feira o primeiro-ministro italiano, Matteo Renzi, em uma entrevista.

Renzi também disse à BBC que considera o primeiro-ministro britânico anterior, David Cameron, como responsável pela vitória do Brexit no referendo de junho.

A advertência de Renzi é a mais recente de uma longa lista feita por líderes europeus, que revelam o mal-estar com Londres e as dificuldades que enfrentará quando notificar oficialmente sua saída e começarem os dois anos de negociações de ruptura.

"Será impossível dar aos britânicos mais direitos que a outros países fora da UE", disse Renzi, falando em inglês.

"Quando David Cameron decidiu usar o referendo para resolver um problema interno do Partido Conservador, este foi o problema", acrescentou.

Uma interpretação recorrente do motivo de Cameron para convocar o plebiscito é a de que tomou a decisão para aplacar os eurocéticos de seu partido e frear a ascensão do UKIP, o Partido para a Independência do Reino Unido.

Renzi estimou que deixar a UE era uma "decisão ruim", mas que era preciso respeitar o resultado.

As declarações de Renzi à BBC coincidem com a publicação de um relatório que estima em 65 milhões de libras o custo anual para os cofres britânicos das negociações do Brexit, em grande parte destinados à contratação de 500 funcionários.

Este relatório foi elaborado por uma respeitada organização independente, o Instituto para o Governo (Institute for Government), e é o primeiro sobre o funcionamento do governo após a reestruturação que dividiu a responsabilidade das negociações do Brexit entre três ministérios.

O relatório convoca a primeira-ministra Theresa May a anunciar quando pensa em ativar o Artigo 50 do Tratado de Lisboa, a porta de saída de um Estado membro.

Veja também

Após morte de George Floyd, capas de revistas com negros disparam
EUA

Após morte de George Floyd, capas de revistas com negros disparam

Pandemia implode sistema de testes, e Alemanha e França reimpõem bloqueios
Coronavírus

Pandemia implode sistema de testes, e Alemanha e França reimpõem bloqueios