Presidente da Coreia do Sul demite primeiro-ministro

Hwang Kyo-Ahn foi demitido "diante da atual situação"

O prefeito Anderson Ferreira (PR) realizou a última vistoria no equipamentoO prefeito Anderson Ferreira (PR) realizou a última vistoria no equipamento - Foto: Matheus Britto/PJG

A presidente da Coreia do Sul, Park Geun-Hye, envolvida em um escândalo político pelo papel de uma de suas confidentes, demitiu nesta quarta-feira o primeiro-ministro, Hwang Kyo-Ahn, informou o porta-voz da presidência Jung Youn-Kuk.

O cargo de primeiro-ministro é mais simbólico na Coreia do Sul, onde o poder está de fato nas mãos do presidente.

Hwang Kyo-Ahn foi demitido "diante da atual situação" e como parte de uma reorganização do gabinete para criar um ambiente "neutro", disse o porta-voz em referência ao escândalo, que tem levado milhares de pessoas a exigir a renúncia da presidente.

O porta-voz Jung Youn-Kuk explicou que além do premier Hwang Kyo-Ahn serão demitidos os ministros das Finanças e da Segurança Pública.

Park Geun-Hye está sob pressão após uma série de revelações que sugerem que Choin Soon-Sil, sua amiga há 40 anos, a aconselhava nos assuntos de Estado sem exercer nenhuma função oficial ou ter habilitação em matéria de segurança.

Choi é investigada por tráfico de influência e corrupção devido a suspeitas de que aproveitou seus contatos na "Casa Azul", sede da presidência, para extorquir os principais conglomerados econômicos do país, como Samsung, que teria destinado importantes somas de dinheiro a fundações criadas pela amiga da presidente.

O novo primeiro-ministro será Kim Byong-Joon, que foi assessor do ex-presidente liberal Roh Moo-Hyun.

Segundo a imprensa sul-coreana, Choi Soon-Sil também teria escrito discursos presidenciais e consultado documentos secretos do governo.

Para tentar conter o escândalo, Park prometeu montar um executivo "neutro" com membros alheios a seu partido, o conservador Saenuri.

Veja também

Brasil veta plano do Mercosul por incluir expressão 'crimes de ódio' contra pessoas LGBT
mercosul

Brasil veta plano do Mercosul por incluir expressão 'crimes de ódio' contra pessoas LGBT

Usar máscara poderia evitar 130.000 mortes nos EUA, aponta estudo
Coronavírus

Usar máscara poderia evitar 130.000 mortes nos EUA, aponta estudo