Presidente de Angola desiste de tentar reeleição após 37 anos no poder

Comunicado do MPLA, lido na rádio do governo, reportou a decisão do chefe de Estado de 74 anos

Líder do PSB na Câmara Federal, Tadeu Alencar.Líder do PSB na Câmara Federal, Tadeu Alencar. - Foto: Divulgação

O presidente angolano, José Eduardo dos Santos, no poder há 37 anos, desistiu de tentar um novo mandato em 2017 e cederá o lugar como líder do Movimento Popular de Libertação de Angola ao seu ministro da Defesa, João Lourenço, anunciou a rádio oficial.

Um comunicado do MPLA, lido na rádio do governo, reportou a decisão do chefe de Estado de 74 anos. Citando fontes do partido, a emissora avançou na nomeação do ministro da Defesa.

Pouco depois, João Pinto, membro do Comitê Central, confirmou à AFP que "o presidente José Eduardo dos Santos não será candidato" à sua sucessão.

A Constituição de Angola contempla que a Presidência corresponde ao líder do partido que tenha obtido mais votos nas eleições legislativas. A candidatura do ministro da Defesa seria oficialmente anunciada no sábado, 10 de dezembro, por ocasião do 60º aniversário de criação do MPLA.

Há semanas circulavam boatos em Angola sobre a eventual retirada de Santos por questões vinculadas à saúde do presidente septuagenário.

O MPLA chegou ao poder em 1975, após a independência de Angola de Portugal.

Santos tomou o poder quatro anos depois da morte do líder histórico do MPLA, Agostinho Neto. Desde então, Santos tem conduzido este país, um dos mais pobres do mundo, apesar de ser o principal produtor de petróleo da África subsaariana.

Durante o primeiro quarto de século de vida independente, Angola foi palco de uma guerra civil com intervenções estrangeiras, entre elas de tropas cubanas.

Veja também

Brasil veta plano do Mercosul por incluir expressão 'crimes de ódio' contra pessoas LGBT
mercosul

Brasil veta plano do Mercosul por incluir expressão 'crimes de ódio' contra pessoas LGBT

Usar máscara poderia evitar 130.000 mortes nos EUA, aponta estudo
Coronavírus

Usar máscara poderia evitar 130.000 mortes nos EUA, aponta estudo