Presidente do Peru estuda denunciar Odebrecht por perdas e danos

Empreiteira admitiu o pagamento de US$ 29 mi a funcionários do Estado peruano em troca de contratos para obras entre 2005 e 2014

No interior e Sertão do Estado, outras unidades da UPAE já foram inauguradasNo interior e Sertão do Estado, outras unidades da UPAE já foram inauguradas - Foto: Divulgação

O presidente peruano, Pedro Pablo Kuczynski, disse neste sábado (31) que estuda a possibilidade de denunciar por perdas e danos a empreiteira Odebrecht, que admitiu ter pagado propina a funcionários de vários países, entre eles o Peru, para vencer licitações de obras públicas.

"Nós estamos analisando várias alternativas, sem dúvida uma delas é esta (denúncia), mas devemos ver caso a caso porque senão vamos entrar em complicações terríveis de julgamentos intermináveis", disse Kuczynski à emissora RPP ao ser questionado se o Peru apresentaria uma demanda contra a construtora brasileira.

A Odebrecht admitiu - segundo informou a Justiça dos Estados Unidos - o pagamento de 29 milhões de dólares a funcionários do Estado peruano em troca de contratos para obras entre os anos de 2005 e 2014.

Kuczynski explicou que para realizar qualquer denúncia deve-se estar bem preparado para não se lançar em algo que depois possa ser contraproducente para o país.

"A Justiça peruana deve se inteirar do assunto e ver os detalhe para, com base nisso, tomar uma decisão", afirmou o presidente.

Kuczynski falou com a Procuradoria para entregarem os nomes dos funcionários e executivos envolvidos no caso de subornos.

"Se há acusados, que sem dúvidas há, devem passar pelo sistema judiciário e terem seus nomes conhecidos", comentou.

Na sexta-feira, a Odebrecht assinalou que está disposta a assinar um acordo com a justiça no Peru, tal como fez nos Estados Unidos, para poder continuar ativa, segundo um comunicado interno da empresa a seus funcionários e que a AFP teve acesso.

"Baseados na experiência que tivemos nos países como Estados Unidos, Brasil e Suíça, reconhecemos a importância do uso de mecanismos de cooperação com a justiça procurando reparar danos", assinalou no comunicado o novo representante da empresa em Lima, Mauricio Cruz.

A construtora participou de mais de 40 projetos de investimento no período investigado (2005-2014), os quais envolveram mais de 12 bilhões de dólares em gastos públicos para a execução. Os fatos ocorreram durante os governos dos presidentes Alejandro Toledo, Alan García e Ollanta Humala.

Veja também

Câmara Baixa do Parlamento russo ratifica extensão do tratado nuclear New START
PRAZO

Câmara Baixa do Parlamento russo ratifica extensão do tratado nuclear New START

ONU pede US$ 100 milhões para migrantes no Mediterrâneo e culpa Itália por naufrágio em 2013
RECURSO

ONU pede US$ 100 milhões para migrantes no Mediterrâneo e culpa Itália por naufrágio em 2013