Presidente dos Estados Unidos condena supremacia branca após ataques

Trump mencionou que o atirador de El Paso, que abriu fogo de maneira indiscriminada num shopping da cidade localizada na fronteira com o México, "publicou um manifesto na internet repleto de ódio racista"

Presidente dos EUA, Donald TrumpPresidente dos EUA, Donald Trump - Foto: Nicholas Kamm / AFP

Em meio a críticas, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, condenou os ataques a tiros no Texas e Ohio como crimes bárbaros contra a humanidade, além de culpar doenças mentais e videogames pelos massacres. Ele não mencionou mudanças na legislação que facilita o acesso a armas de fogo.

"Com uma só voz, nossa nação deve condenar o racismo, o fanatismo e o supremacismo branco", disse Trump em pronunciamento na Casa Branca após os tiroteios do fim de semana, que deixaram 30 mortos.

O presidente mencionou que o atirador de El Paso, que abriu fogo de maneira indiscriminada num shopping da cidade localizada na fronteira com o México, "publicou um manifesto na internet repleto de ódio racista".

Leia também:
Pesquisas derrubam tese de Trump de que games e distúrbios mentais são causas de ataques
Trump quer controle mais rígido das armas vinculado à reforma migratória

Alvo constante de críticas por utilizar retórica agressiva contra a imigração e, em consequência, presumivelmente alimentar uma onda de violência, Trump respondeu às insatisfações dos oposicionistas, mostrando-se "indignado e enojado" pelos massacres do fim de semana. No entanto, não respondeu diretamente às acusações de que seus próprios comentários racistas possam ter contribuído para o aumento das tensões raciais.

"Essas ideologias sinistras devem ser derrotadas. O ódio não tem lugar na América. O ódio distorce a mente, destrói o coração e devora a alma", acrescentou Trump.

O republicano afirmou que os condenados por crimes de ódio devem receber "pena de morte" com execuções "rápidas". Além disso, frisou que "a doença mental e o ódio são os que apertam o gatilho, não a pistola", numa clara defesa ao direito ao porte de armas nos EUA.

Após o pronunciamento, democratas acusaram Trump de se esconder atrás de um discurso sobre saúde mental, em vez de se comprometer a endurecer a legislação sobre armas no país como meio de combater a violência e evitar massacres como os recentes.

Veja também

OMS classifica variante encontrada na Índia como 'preocupante'
Coronavirus

OMS classifica variante encontrada na Índia como 'preocupante'

Na Índia, médicos detectam infecção micótica mortal entre pacientes com Covid-19
Coronavirus

Na Índia, médicos detectam infecção micótica mortal entre pacientes com Covid-19