Presidente peruano afirma que deixará o poder ao fim de seu mandato

Martín Vizcarra assinalou que "não há nenhum problema" em sua decisão de dissolver o Congresso ser vista no tribunal constitucional

Martín Vizcarra, presidente peruanoMartín Vizcarra, presidente peruano - Foto: RENATO PAJUELO / ANDINA / AFP

O presidente peruano, Martín Vizcarra, que dissolveu o Congresso há quase uma semana, afirmou em entrevista divulgada neste domingo (6) que não ficará no poder nem um dia além de 28 de julho de 2021, quando termina o seu mandato.

"Há uma clara intenção do meu governo e minha condição de presidente de respeitar explicitamente o prazo. De forma alguma permaneceremos além de 28 de julho de 2021", garantiu Vizcarra em entrevista ao jornal "El Comercio".

O presidente assinalou que "não há nenhum problema" em sua decisão de dissolver o Congresso ser vista no tribunal constitucional. "Respeitemos a competência de todas as instituições. De forma que, se em algum momento houver uma opinião do Tribunal Constitucional sobre este ou qualquer outro tema, iremos repeitá-la", assinalou.

Leia também:
Presidente peruano empossa novos ministros, entre eles fujimorista dissidente
Vice renuncia à Presidência interina do Peru

Vizcarra também colocou panos quentes nas versões da oposição que apontam que seu governo caminha para um "comunismo vizcarrista" e que suas ações se assemelham a um "castrochavismo", garantindo que incentiva e respeita o investimento privado.

"A política econômica do governo se sustenta em promover o investimento privado com regras claras, sempre pedindo sustentação ambiental e social", assinalou. "Temos a confiança do empresariado, que segue confiando no Peru (...) Não falo apenas em grandes empresas, mas também nas pequenas."

Em 30 de setembro, o presidente dissolveu o Congresso, invocando suas faculdades constitucionais, a fim de acabar com os choques de poderes recorrentes e obstruções da maioria fujimorista, criticada, ainda, por amparar funcionários e magistrados investigados por corrupção. A medida teve o apoio de 89,5% dos peruanos, segundo uma pesquisa da empresa CPI.

Vizcarra substituiu na presidência o banqueiro Pedro Pablo Kuczynski (2016-2018), que renunciou por causa do escândalo de corrupção envolvendo a construtora brasileira Odebrecht.

O presidente ganhou popularidade ao promover uma cruzada contra a corrupção em um país onde os quatro chefes de Estado anteriores foram acusados de receber dinheiro da Odebrecht

Veja também

Piñera vota em plebiscito no Chile sobre mudança na Constituição
Chile

País sai às urnas neste domingo (25) para decidir sobre a elaboração de uma nova Constituição

Covid-19: OMS registra recorde de casos pelo terceiro dia consecutivo
Coronavírus

Covid-19: OMS registra recorde de casos pelo terceiro dia consecutivo