Presidente sul-coreano diz não reconhecer Coreia do Norte como Estado nuclear

Crise nuclear será centro das atenções durante viagem do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, à Ásia

Presidente da Coreia do Sul, Moon Jae-InPresidente da Coreia do Sul, Moon Jae-In - Foto: Jung Yeon-Je/Reuters

A Coreia do Sul nunca irá tolerar a Coreia do Norte como um Estado nuclear, e Seul também não desenvolverá armas nucleares, afirmou nesta quarta-feira (1º) o presidente sul-coreano, Moon Jae-in. A informação é da Agência Reuters.

Leia também:
Coreia do Sul e China anunciam fim do impasse sobre sistema antimíssil dos EUA
Coreia do Norte diz que guerra nuclear é possível 'a qualquer hora'


A crise nuclear da Coreia do Norte será o centro das atenções no fim desta semana, quando o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, começar uma viagem à Ásia. A diplomacia tem sido reforçada como preparação para a visita.

Uma série de testes de armas por parte do regime norte-coreano e uma sequência de declarações cada vez mais tensas entre Trump e o líder norte-coreano, Kim Jong Un, nos últimos meses, despertou temores sobre um possível conflito armado.

Falando ao Parlamento sul-coreano, Moon Jae-in disse que não pode haver qualquer ação militar na Península Coreana sem o consentimento de Seul, acrescentando que seu governo continuará a trabalhar pela paz na região.

"De acordo com declaração conjunta de desnuclearização pelas Coreias do Norte e do Sul, não podemos tolerar ou reconhecer a Coreia do Norte como um Estado nuclear. Nós também não iremos desenvolver ou ter (armas) nucleares", afirmou.

"Nosso governo foi lançado no momento mais sério em termos de segurança. O governo está fazendo esforços para gerenciar de forma estável a situação, assim como para promover a paz na Península Coreana".

Veja também

Pandemia reduziu migração mundial em 30%, aponta ONU
Mundo

Pandemia reduziu migração mundial em 30%, aponta ONU

Trump sairá de Washington horas antes da posse de Biden na quarta-feira (20)
Estados Unidos

Trump sairá de Washington horas antes da posse de Biden na quarta-feira (20)