A-A+

Presidiários dos Estados Unidos iniciam greve

O movimento teve início nesta terça-feira (20) pelas organizações de presidiários nos Estados Unidos

A greve foi iniciada pelas organizações de presidiários nos Estados Unidos A greve foi iniciada pelas organizações de presidiários nos Estados Unidos  - Foto: Saul Loeb/AFP

Organizações de presidiários nos Estados Unidos iniciam nesta terça-feira (21) uma greve por melhores condições de vida e contra a exploração do trabalho de detentos. Os organizadores da greve, que deve se estender até 9 de setembro, afirmam que o movimento terá adesão de prisioneiros em até 17 dos 50 Estados do país. O movimento surgiu como resposta à morte de sete detentos durante uma rebelião na prisão de segurança máxima Lee Correctional Institute, no Estado da Carolina do Sul, em 15 de abril. Ativistas dizem que a tragédia foi resultado da superlotação do local e da negligência das autoridades carcerárias.

As táticas dos grevistas incluem a interrupção de seus trabalhos, o boicote de produtos à venda nas prisões e greve de fome. Suas principais demandas são melhorias das condições de vida nas carceragens, salários justos para detentos que participem de programas de trabalho e o fim da discriminação contra negros e latinos no sistema de Justiça. "Demandamos condições de vida humanizadas, acesso à reabilitação, reforma do sistema de sentenças e o fim da escravidão moderna", afirma um comunicado do Incarcerated Workers Organizing Committee, uma das organizações por trás do movimento.

Leia também:
Promotoria dos EUA pede 10 anos de prisão para Marin
Greve de fome de prisioneiros palestinos agrava tensão com Israel


A menção à "escravidão moderna" se refere à prática, comum nos EUA, de recrutar detentos para trabalhar a salários muito baixos. A 13ª emenda à Constituição do país, que pôs fim à escravidão em 1865, autoriza o trabalho forçado como punição para quem cometer algum crime. Atualmente, mais de 2,1 milhões de pessoas estão atrás das grades nos EUA -é a maior população carcerária do mundo. O Brasil fica em terceiro lugar, com aproximadamente 700 mil detentos.

Veja também

Nível do mar continua a subir em ritmo alarmante, alerta relatório
aquecimento global

Nível do mar continua a subir em ritmo alarmante, alerta relatório

Cientistas identificam vírus muito similar ao da Covid-19 em morcegos no Laos
Coronavírus

Cientistas identificam vírus muito similar ao da Covid-19 em morcegos no Laos