Primeira-ministra pede que deputados britânicos não tentem bloquear Brexit

"O resultado foi claro. É legítimo. Os deputados que lamentam o resultado do referendo devem aceitar o que o povo decidiu", disse May

Germana Laureano foi eleita procuradora-geral do MPCOGermana Laureano foi eleita procuradora-geral do MPCO - Foto: Arthur Mota/Folha PE

A primeira-ministra britânica, Theresa May, advertiu neste domingo (6) aos deputados de seu país que não tentem bloquear o Brexit, depois que o Alto Tribunal de Londres decidiu que eles devem ser consultados.

"O resultado foi claro. É legítimo. Os deputados que lamentam o resultado do referendo devem aceitar o que o povo decidiu", disse May em declarações publicadas neste domingo antes de uma viagem à Índia.

Após a decisão judicial de quinta-feira, o governo conservador anunciou que apelaria ante o Supremo Tribunal e May ressaltou que manteria seu calendário sem mudanças.

May deseja evitar que os deputados utilizem seu voto para contradizer o resultado do referendo de junho, no qual o "sim" à saída do Reino Unido da União Europeia venceu.

A decisão da Alta Corte irrita os partidários do Brexit, que temem que os deputados pró-europeus possam frear o processo de saída da UE que May quer colocar em andamento antes de março.

"Não está no interesse do país e não nos ajudará a obter melhores condições para a Grã-Bretanha", disse a primeira-ministra. "Agora devemos nos concentrar em buscar a melhor saída possível", acrescentou.

Por sua vez, o líder do partido trabalhista, Jeremy Corbyn, afirmou que não tem a intenção de lutar contra o resultado do referendo.

"Não colocamos em xeque o referendo (...) Não pedimos um segundo referendo, pedimos que a indústria britânica tenha acesso ao mercado europeu", explicou.

Veja também

Ao menos sete mortos e dezenas de feridos por explosão em escola religiosa no Paquistão
Mundo

Ao menos sete mortos e dezenas de feridos por explosão em escola religiosa no Paquistão

Turismo mundial caiu 70% entre janeiro e agosto pela Covid-19, diz OMT
Coronavírus

Turismo mundial caiu 70% entre janeiro e agosto pela Covid-19, diz OMT