Professora vai para UTI após agressão

No dia da agressão, suspeito foi encaminhado para a diretoria, mas, antes de sair da sala de aula, ameaçou a professora dizendo que ela “iria pagar”

O governador Paulo CâmaraO governador Paulo Câmara - Foto: Paullo Allmeida

 

Uma professora de 38 anos foi parar na UTI após ser agredida por um aluno de 16 por causa de uma nota errada na Escola Estadual República da Nicarágua, na Zona Leste de São Paulo. De acordo com informações do marido da vítima, a professora contou que, no começo do ano, lançou uma nota de matemática errada e disse ao aluno que iria arrumá-la. No dia da agressão, ele foi encaminhado para a diretoria, mas, antes de sair da sala de aula, ameaçou a professora dizendo que ela “iria pagar”.
Ainda segundo o relato do marido da vítima, no horário do intervalo, o aluno foi liberado. A docente ia para a sala dos professores quando o adolescente deu um soco em sua costela e uma rasteira. A professora caiu, bateu a cabeça no chão e desmaiou. Ela teve uma convulsão. Os funcionários chamaram o resgate e ela foi socorrida. A docente sofreu uma fratura na costela. Ela fez uma ressonância ontem. Os médicos querem saber se ela ficou com algum coágulo na cabeça. Levado à delegacia, o aluno foi liberado após a mãe assinar um termo de responsabilidade.

 

Veja também

Presidente da Bolívia é 'assintomática' para a Covid-19, diz seu médico
Coronavírus

Presidente da Bolívia é 'assintomática' para a Covid-19, diz seu médico

Valentina Sampaio é primeira modelo transgênero a posar para a Sports Illustrated
moda

Valentina Sampaio é primeira modelo transgênero a posar para a Sports Illustrated