Protestos no Chile afetaram 15 mil pequenas e médias empresas, diz governo

A revolta social reduziu a atividade econômica em 3,4% em outubro, o pior índice em uma década

Protestos no ChileProtestos no Chile - Foto: Rodrigo ARANGUA / AFP

Cerca de 15 mil pequenas e médias empresas (PMEs) foram afetadas pela série de protestos que ocorrem no Chile, e 75 mil postos de trabalho no setor estão em risco se o movimento continuar, informou o governo nesta sexta-feira (6).

O ministro da Economia, Lucas Palacios, disse que cerca de 15 mil PMEs "foram afetadas, seja pela redução de vendas ou por danos físicos às instalações", nos 50 dias de uma a crise que paralisou parcialmente o comércio, especialmente no centro de Santiago.

As PMEs, que correspondem a 98% do total das empresas no país e geram mais de 50% dos empregos, "sofreram diretamente a deterioração de nossa economia gerada pela violência que vimos nas ruas", disse Palacios para jornalistas.

Leia também:
Em resposta a protestos, Chile reduz pela metade salário de políticos
Polícia chilena suspende uso de balas de borracha


A revolta social reduziu a atividade econômica em 3,4% em outubro, o pior índice em uma década.

O comércio e o turismo são as áreas mais afetadas, devido a saques, incêndios, ataques e cancelamentos de viagens, colocando em risco "cerca de 75 mil empregos" do setor, disse o ministro.

Nesta semana, o governo anunciou um pacote de medidas para reativar a economia e apoiar o emprego, no qual investirá 5,5 bilhões de dólares.

Veja também

Maior ataque suicida em Bagdá em três anos mata ao menos 32 pessoas
Terrorismo

Maior ataque suicida em Bagdá em três anos mata ao menos 32 pessoas

Biden assume comando da luta contra Covid-19 e decreta quarentena para viajantes
EUA

Biden assume comando da luta contra Covid-19 e decreta quarentena para viajantes