Putin completa 20 anos no poder

Mesmo após 20 anos como primeiro-ministro da Rússia, Putin parece determinado a conservar sua autoridade

Presidente russo Vladimir PutinPresidente russo Vladimir Putin - Foto: Mikhail Klimentye/Sputinik/AFP

Quando Vladimir Putin foi nomeado primeiro-ministro da Rússia, muitos pensavam que o então desconhecido diretor da antiga KGB continuaria as reformas democráticas após o fim da União Soviética. Desde então, porém, impôs seu poder unipessoal e, 20 anos depois, parece determinado a conservar sua autoridade.

Nas últimas semanas, o veto das autoridades às candidaturas de oposição nas eleições municipais de várias grandes cidades russas, incluindo Moscou, e a dura repressão policial e judicial ao movimento de protesto deixaram pouca margem para dúvidas. Depois de afastar todas as vozes críticas, o ex-agente do serviço de Inteligência, de 66 anos, popular por devolver a Rússia a um espaço preponderante no cenário internacional e por conseguir uma certa estabilidade, não pretende deixar que a oposição levante a cabeça. E tudo isso apesar de a Constituição não permitir uma nova candidatura em 2024.

Leia também:
Bolsonaro desistiu de mencionar Venezuela em discurso para 'não polemizar' com Putin
Trump e Putin falaram sobre a Venezuela em um telefonema
Trump ordena congelamento total de ativos do regime Maduro
Putin promulga controversa lei sobre controle da internet


A história começou em 9 de agosto de 1999, quando o então presidente Boris Yeltsin anunciou a nomeação do diretor do FSB, herdeiro da KGB soviética, como chefe de Governo. Analistas consideravam Putin um representante do serviço de Inteligência, com capacidade de acabar com a instabilidade política e a revolta no Cáucaso. Também era visto como um homem de Estado eficaz que iniciou sua carreira ao lado do liberal prefeito de São Petersburgo, Anatoli Sobchak, e foi escolhido por Yeltsin para manter a Rússia no caminho da economia de mercado. Debilitado, o então presidente, que renunciaria em 31 de dezembro de 199 em favor do sucessor, explicou na televisão que Putin ficaria responsável por "consolidar a sociedade e garantir a continuidade das reformas".

- Poder "sem limites" -
"No início de seu reinado, a Rússia, ainda pobre e com índice elevado de criminalidade, continuava sendo, no entanto, um país livre e democrático", disse à AFP o jornalista da TV pública Nikolai Svanidzeh, que recorda um Putin "agradável e conversador, natural e com senso de humor" em seus primeiros anos de Kremlin. "Após 20 anos de poder sem limites, cercado de aduladores, o que é inevitável em nosso regime relativamente autoritário, certamente mudou, e não no bom sentido", completa.

No início, o primeiro-ministro Putin se mostrava relativamente tolerante e disposto a manter boas relações com os ocidentais. Já apresentava, porém, uma imagem severa e iniciou a segunda guerra da Chechênia, a base de sua popularidade, que permitiu sua reeleição como presidente na primeira década do século com 53% dos votos. Graças à abundância de petróleo, sua primeira década no poder foi marcada pela recuperação do nível de vida dos russos e do retorno de um Estado enfraquecido após a queda da URSS, incluindo os meios de comunicação controlados por ambiciosos oligarcas.

"O Putin de hoje não é o de 1999-2000: de liberal passou a conservador", afirma o cientista político Konstantin Kalachev. O analista acredita que a mudança "foi desencadeada por sua decepção com os ocidentais".

- A era pós-Putin -
Em 2004, aconteceu um ponto de inflexão com a "Revolução Laranja", que levou à presidência da Ucrânia um político pró-Ocidente. O Kremlin considerou o episódio uma interferência ocidental em seu território. Em 2007, Putin fez em Munique uma dura e muito recordada crítica aos Estados Unidos.

Depois, as crises não deram trégua: guerra na Geórgia em 2008; intervenção ocidental na Líbia em 2011, considerada uma traição por Moscou, que agora apoia Bashar al-Assad na Síria; crise ucraniana em 2014 com a anexação da Crimeia e depois o início de um conflito no leste do país entre as força de Kiev e separatistas pró-Moscou. "O conflito com o Ocidente transformou Putin em reacionário", acredita o jornalista político Georgui Bovt, da rádio Business FM.

Na política interna, isto foi traduzido pela defesa de valores conservadores pregados pela Igreja Ortodoxa, em oposição a uma espécie de "decadência ocidental", e com um retrocesso permanente das liberdades públicas em nome da ordem e estabilidade. O suposto fim de seu mandato deixa a classe política russa no limbo sobre suas intenções. Voltar a ser primeiro-ministro como em 2008-2012? Designar um sucessor como Boris Yeltsin em 1999? Criar uma função honorária que lhe permitiria movimentar os fios como acaba de fazer o homem forte do vizinho Cazaquistão?

A questão é importante ainda mais porque a popularidade de Putin, estratosférica após a anexação da Crimeia, caiu desde o anúncio, no ano passado, de uma impopular reforma da Previdência, difícil de aceitar para uma população com baixa renda e em queda há cinco anos. "Atualmente, Putin e seu entorno buscam todos os meios para não partir", afirma Bovt, para quem o presidente russo acredita que deve "cumprir uma missão histórica".

Veja também

Sonda chinesa pousa na Lua para coletar amostras do solo
Espaço

Sonda chinesa pousa na Lua para coletar amostras do solo

EUA tem recorde de mortes diárias por Covid-19 desde abril
Coronavírus

EUA tem recorde de mortes diárias por Covid-19 desde abril