Putin inaugura ponte que sela união da Rússia com a Crimeia

Estrutura apelidada de ponte putin sela união com a região que havia sido cedida para a Ucrânia em 1954, durante o governo de Nikita Krushchov

Presidente russo, Vladimir Putin, inaugura ponte que liga região da Crimeia a RussiaPresidente russo, Vladimir Putin, inaugura ponte que liga região da Crimeia a Russia - Foto: Alexander Nemenov / POOL/ AFP

O presidente Vladimir Putin inaugurou nesta terça (15) uma bilionária ponte de 19 km ligando a península da Crimeia ao território continental russo, selando a união com a região que reabsorveu da Ucrânia em 2014.

"Quero agradecer ao talento de vocês por esse milagre", disse o presidente a trabalhadores após dirigir um caminhão laranja da marca russa Kamaz por toda a extensão da ponte da Crimeia, sobre o estreito de Kerch, segundo o serviço de imprensa do Kremlin.

A estrutura, já apelidada de ponte Putin, vai permitir uma ligação entre a província de Krasnodar, no sul da Rússia, e a isolada península, que só tem fronteira por terra com a Ucrânia -que a reclama como seu território. Ela tem faixas viárias e também para trens, que só serão abertas no fim do ano.

Leia também:
Vladimir Putin toma posse para quarto mandato
Líder oposicionista é preso em protesto contra Putin em Moscou

Quando estiver totalmente operacional, em 2019, terá capacidade para o transporte de 14 milhões de pessoas e 13 milhões de toneladas de produtos de lado a lado. Não que tal tráfego seja esperado: moram na Crimeia 2,3 milhões de pessoas, hoje abastecidos por meio de navios que cruzam o mar de Azov e aviões que pousam em Simferopol.

O que importa é o simbolismo. A Crimeia, um território historicamente russo, havia sido cedida à então república soviética da Ucrânia em 1954 pelo governo de Nikita Krushchov, que quis fazer um agrado à sua terra natal.

Após o fim da Guerra Fria, a Rússia viu a Ucrânia aproximar-se do Ocidente e namorar uma adesão à Otan, a aliança militar liderada pelos EUA. Geopoliticamente, isso é impensável em Moscou, dado que o país vizinho é o que separa suas fronteiras das tropas adversárias na Europa.

Em 2014, com apoio ocidental, um golpe derrubou o governo pró-Kremlin em Kiev. Ato contínuo, Moscou infiltrou militares e mercenários na Crimeia. Foi feito um plebiscito e, sem surpresa dada a maioria russa étnica da região, a secessão foi aprovada.

A reabsorção não foi aceita em fóruns internacionais, onde é contestada pela Ucrânia, e levou a uma série de sanções ocidentais contra o Kremlin. Na prática, como a nova ponte atesta, é um fato consumado.

A obra já havia sido tentada em 1943, quando os nazistas ocupavam a região, mas ficou inacabada com o avanço das tropas soviéticas. A ponte começou a ser construída em sua nova encarnação em 2016 pela construtora de Arkadi Rotenberg, um amigo do círculo íntimo de Putin, por exorbitantes 223 bilhões de rublos (R$ 13 bilhões no câmbio desta terça, 15).

Como esperado, os ucranianos não gostaram nada. "A construção ilegal da ponte é a mais recente evidência do desprezo do Kremlin pela lei internacional, e é particularmente cínico que a abertura ocorra às vésperas do aniversário da deportação do povo tatar da Crimeia pelo regime de [Josef] Stálin [ditador soviético]", disse o presidente da Ucrânia, Petro Poroshenko, segundo o jornal "The Moscow Times".

O país já não aceitava trocar em casas de câmbio as novas notas de 200 rublos (R$ 11,7), que trazem imagens de marcos históricos da Crimeia.

Putin tem uma queda especial por pontes. Em 2012, inaugurou o maior modelo estaiado em Vladivostok (Extremo Oriente). Obra de 81 bilhões de rublos (R$ 4,7 bilhões), ela liga o famoso porto à remota ilha Russki, onde foi construída uma universidade para estimular a integração e a inovação na região mais desabitada da Rússia.

Curiosamente, a ponte também adorna uma nova nota russa, a de 2.000 rublos (R$ 117). Só não se sabe se a sua irmã na Crimeia terá o mesmo destino que lhe coube: pouquíssimos automóveis, geralmente de fabricação dos vizinhos Japão e Coreia do Sul, cruzam a obra faraônica todos os dias.

Veja também

Cúpula sobre economias africanas pede suspensão de patentes de vacinas anticovid
Patentes de vacinas

Cúpula sobre economias africanas pede suspensão de patentes de vacinas anticovid

Canadá investirá em filial de laboratório dos EUA para fabricar vacinas anticovid
Coronavírus

Canadá investirá em filial de laboratório dos EUA para fabricar vacinas anticovid