Quase 180 desaparecidos em naufrágio no Mediterrâneo

Número foi estabelecido a partir do testemunho de quatro sobreviventes

RefugiadosRefugiados - Foto: Andreas Solaro/AFP

O balanço do naufrágio de sábado (14) diante da costa líbia subiu para quatro mortos e cerca de 180 desaparecidos, anunciaram nesta terça-feira (17) o Alto Comissariado da ONU para os Refugiados (ACNUR) e a Organização Internacional para as Migrações (OIM)

Este número foi estabelecido a partir do testemunho de quatro sobreviventes, que chegaram na noite de segunda-feira ao porto de Trapani, no oeste da Sicília.

Estes quatro sobreviventes, três homens e uma mulher, "abalados e esgotados", explicaram que partiram na sexta-feira da Líbia com mais de 180 pessoas, todas procedentes do Chifre da África, a bordo de uma embarcação de madeira de dois andares, informaram à AFP porta-vozes das duas organizações.

Depois de cinco horas de navegação, o motor quebrou e a embarcação começou a afundar.

Um dos resgatados afirmou que tentou em vão encontrar sua esposa, que havia se instalado no centro da embarcação.

Depois de permanecer na água por várias horas, os sobreviventes foram resgatados a 30 milhas náuticas da costa líbia por um navio francês, que participa da operação Triton da agência europeia de controle de fronteiras, Frontex.

Posteriormente foram levados à Siem Pilot, uma embarcação norueguesa integrada também no dispositivo da Frontex.

Veja também

Por margem apertada, Senado dos EUA mantém processo de impeachment de Trump
EUA

Senado mantém processo de impeachment de Trump

Mundo ultrapassa a marca de 100 milhões de casos por Covid-19
Coronavírus

Mundo ultrapassa a marca de 100 milhões de casos por Covid-19