A-A+

Quatro crianças ficam em coma após pula-pula voar com o vento na Rússia

Todas elas tiveram ferimentos graves na cabeça, com fraturas no crânio

Pula-pula inflável foi arrastado por um forte Pula-pula inflável foi arrastado por um forte  - Foto: Reprodução

Cinco crianças ficaram gravemente feridas depois que um pula-pula inflável em que elas brincavam foi arrastado por um forte vento e jogado em uma rodovia na cidade de Ulan-Ude, na Rússia. Quatro delas estão em coma induzido.

Em um vídeo feito por uma câmera de segurança é possível ver o momento em que o brinquedo é levantado pelo vento. Os pais começam a correr para segurar o pula-pula e só conseguem alcançar as crianças quando o brinquedo cai no meio de uma rodovia.

Nas imagens é possível ver algumas crianças caindo na estrada. Segundo a imprensa local, duas delas ficaram embaixo do brinquedo depois que ele caiu.

Leia também:
Julianne Moore diz que sofreu abuso quando criança
Criança cai do 5º andar de um prédio na zona oeste de São Paulo

As crianças, com idade entre três e sete anos, foram levadas por três ambulâncias a um hospital, reportou o canal de televisão russo RT. Todas elas tiveram ferimentos graves na cabeça, com fraturas no crânio.Ainda segundo a televisão, alguns pais entraram em estado de choque e precisaram ser atendidos pelos médicos.

Segundo o comitê de investigação, o brinquedo inflável não estava devidamente preso ao chão. A fixação foi feita com três pneus de carro e cordas, porém elas teriam se rompido. Uma investigação por negligência foi aberta e o dono do brinquedo está sendo procurado depois de fugir da cena ao ver o acontecido.

O chefe da polícia local disse que irá vetar brinquedos infláveis em dias nas quais as previsões meteorológicas apontem ventos.

Veja também

Índia vai exportar oito milhões de vacinas anticovid em outubro
Vacinas

Índia vai exportar oito milhões de vacinas anticovid em outubro

Rússia pede que EUA seja 'mais ativo' na renovação do acordo nuclear com o Irã
Acordo Nuclear

Rússia pede que EUA seja 'mais ativo' na renovação do acordo nuclear com o Irã