Mundo

Rebeldes sírios vão participar das negociações de paz do Quirguistão

"Todos os grupos rebeldes vão. Todos deram seu acordo" afirmou dirigente de um grupo rebelde

Rebeldes síriosRebeldes sírios - Foto: Nazeer al-Khatib/AFP

Os grupos rebeldes sírios anunciaram nesta segunda-feira (16) a sua participação nas negociações de paz na próxima semana em Astana, em apoio à iniciativa da Turquia e da Rússia para tentar acabar com quase seis anos de guerra.

Estas discussões diretas, de acordo com fontes do regime e da oposição, devem começar em 23 de janeiro na capital do Cazaquistão e têm como objetivo estabelecer um cessar-fogo sólido em todo país, exceto em áreas controladas por extremistas islâmicos.

O encontro é organizado pela Rússia e pelo Irã, aliados do regime, e pela Turquia, que apoia os rebeldes.

Se os diálogos de Astana forem bem-sucedidos, poderiam abrir caminho para negociações patrocinadas pela ONU no próximo mês em Genebra para encerrar um conflito que deixou mais de 310.000 mortos e forçou metade da população a deixar suas casas.

"Todos os grupos rebeldes vão estar presentes. Todos deram o seu acordo", disse Mohamad Alus, líder do grupo rebelde Jaish al-Islam (Exército do Islã), presente principalmente na periferia de Damasco.

"Astana faz parte de um processo para acabar com o derramamento de sangue cometidos pelo regime e seus aliados. Queremos acabar com seus crimes", acrescentou.

Ahmad Al Othman, do grupo Sultan Murad, presente no norte da Síria, também indicou à AFP que os rebeldes "decidiram ir para o diálogo".

Os protagonistas devem se encontrar face a face, ao contrário de como tem sido feito até agora em Genebra, onde todas as negociações organizadas pelas Nações Unidas com o apoio dos Estados Unidos e da Rússia, foram feitas indiretamente.

Segundo Ahmad Ramadan, membro da Coalizão Nacional, a meta é reforçar o cessar-fogo decretado em 30 de dezembro, "enquanto que os detalhes do processo político serão discutidos em Genebra".

Ao contrário de Genebra

Para o diretor do jornal Al Watan, próximo ao poder sírio, Waddah Abed Rabbo, "a abordagem russa, turca e iraniana é exatamente o oposto do que foi feito anteriormente em Genebra".

"A ONU pressupunha que poderia chegar a uma solução política que influenciaria o fim dos combates. Desta vez é o oposto. Tem que solucionar a situação no terreno para abrir o caminho para negociações políticas. A Rússia percebeu que os representantes da oposição presentes nas negociações não tinham qualquer poder na frente de combate e nem apoio popular", acrescentou.

"O que nos levou a concordar com Astana é que o assunto exclusivo das conversações será o de reforçar o cessar-fogo, de modo que a delegação (rebelde) será puramente militar, com o apoio de uma equipe técnica para questões políticas e legais" fornecida pelo Alto Comitê de Negociação (HCN) da oposição, explicou à AFP Osama Zabu Zeid, assessor jurídico das facções rebeldes.

De acordo Zabu Zeid, o grupo Fatah Al-Sham, ex-facção da Al-Qaeda, não foi convidado para Astana.

A equipe de transição do presidente eleito dos Estados Unidos, Donald Trump, que será empossado na sexta-feira, foi convidada, mas não deu nenhuma resposta oficial.

O presidente sírio, Bashar Al-Assad, declarou há uma semana estar "otimista" à respeito das negociações e afirmou estar disposto a negociar com vários grupos rebeldes, segundo indicou à AFP um deputado francês que se reuniu com ele em Damasco.

Iniciado após a queda da parte rebelde de Aleppo em dezembro, o cessar-fogo tem sido respeitado globalmente. Contudo, os combates prosseguem na região de Wadi Barada, perto de Damasco, crucial para o abastecimento de água para a capital.

EI ao ataque

Frustrados por não terem sido convidados a Astana, devido à oposição ferrenha da Turquia, centenas de curdos se manifestaram na cidade de Qamichli (nordeste).

"Devido a que estamos presentes para combater o terrorismo (do EI), é necessário que estejamos presentes na mesa de negociações", indicaram.

Nesta segunda-feira, o EI conseguiu isolar o aeroporto militar do resto dos bairros governamentais da cidade de Deir Ezzor, no leste da Síria, indicaram uma fonte militar e uma ONG.

Os extremistas conseguiram este avanço no terceiro dia de um ataque maciço, lançado contra este setor, o último que lhes tinha escapado na província de Deir Ezzor, vizinha ao Iraque e rica em gás e petróleo.

O EI apoderou-se em 2014 de amplos setores de Deir Ezzor e assedia desde janeiro de 2015 o setor governamental, situado no oeste e onde ainda vivem cem mil pessoas, segundo a ONU.

Veja também

Biden pede que americanos enfrentem 'lobby das armas'
Estados Unidos

Biden pede que americanos enfrentem 'lobby das armas'

China enfrenta novas denúncias de abusos, durante visita de comissária da ONU
Repressão a uigures

China enfrenta novas denúncias de abusos, durante visita de comissária da ONU