Relatório registra mais de 20 mortos e 9 mil pessoas presas no Chile

Multiplicaram-se as queixas sobre violações de direitos humanos e violência institucional, o que levou as Nações Unidas a enviar uma missão especial ao Chile para investigá-las

Protestos no ChileProtestos no Chile - Foto: CLAUDIO REYES / AFP

O surto social no Chile deixou um resultado triste de 20 mortos, centenas de feridos e 9.203 presos, de acordo com um relatório oficial divulgado nessa terça-feira (29) pelo Ministério da Justiça e Direitos Humanos chileno.

O balanço inclui dados de mortes e feridos contabilizados a partir de 19 de outubro, quando começaram os protestos e os tumultos, e segunda-feira (28) de manhã, ou seja, não inclui os incidentes graves registrados na segunda-feira à tarde em Santiago, Concepción, Valparaíso e Antofagasta.

Leia também:
Governo chileno admite situações que 'parecem violações' dos Direitos Humanos
Mudanças no governo chileno tentam acalmar manifestantes
Ingredientes da crise no Chile estão em toda América Latina


Nesse contexto, multiplicaram-se as queixas sobre violações de direitos humanos e violência institucional, o que levou as Nações Unidas a enviar uma missão especial ao Chile para investigá-las.

O Instituto Nacional de Direitos Humanos (NHRI) apresentou queixas para investigar os casos de cinco mortes causadas pela ação de agentes do Estado, além de outras 18 por violência sexual, 54 por tortura e mais der 50 por supostas detenções ilegais.

Veja também

Trump pagou US$ 750 em impostos federais em 2016, segundo The New York Times
EUA

Trump pagou US$ 750 em impostos federais em 2016, segundo The New York Times

Direita alemã demite membro que sugeriu mandar imigrantes para câmara de gás
mundo

Direita alemã demite membro que sugeriu mandar imigrantes para câmara de gás