A-A+

Repressão a protestos na Índia deixa 19 mortos e 1.500 presos

As manifestações se opõem a uma nova lei de cidadania, considerada discriminatória contra os muçulmanos

Manifestantes jogam pedras em protesto em Jabalpur, na Índia Manifestantes jogam pedras em protesto em Jabalpur, na Índia  - Foto: AFP

Subiu para 19 o número de mortos na repressão aos protestos que tomam a Índia nos últimos dez dias. Pelo menos 1.500 pessoas foram presas nas manifestações que se opõem a uma nova lei de cidadania, considerada discriminatória contra os muçulmanos.

Quatro das vítimas foram mortas a tiros na sexta-feira (20) durante confrontos com a polícia no estado de Uttar Pradesh (norte), de acordo com o porta-voz da polícia local. A agência de notícias France-Presse informa que um menino de oito anos também foi morto, em um tumulto durante um protesto na cidade sagrada de Varanasi, na mesma região.

Uttar Pradesh é o estado mais populoso do país e se transformou no principal foco de violência, com nove mortos e muitos internados em estado grave. Governado pelo partido nacionalista, do premiê Narendra Modi, o estado é palco de confrontos entre a maioria hindu e a minoria muçulmana.

Leia também:
Brasil quer aprofundar cooperação em ciência e tecnologia com Índia
Isenção de visto para chineses e indianos surpreende diplomatas, que temem por segurança
Índia anuncia proibição dos cigarros eletrônicos
 

Ativistas naquela área dizem que tiveram as casas e escritórios invadidos para impedir que planejassem novas manifestações. As autoridades também fecharam as escolas em todo o estado enquanto os protestos voltam a ocupar as ruas neste sábado (21).

De acordo com as forças de segurança da Índia, pelo menos outras 4.000 pessoas foram detidas e liberadas durante os protestos, que já deixaram outras centenas de feridos na maior insatisfação popular contra o governo de Modi desde sua eleição, em 2014.

Fontes do governo disseram que o premiê se reuniu com ministros neste sábado para discutir novas medidas de segurança relacionadas aos protestos. Além da repressão armada aos manifestantes nas ruas, a Índia tem bloqueado o acesso à internet, inclusive na capital, Nova Déli, para dificultar a organização dos atos.

Os protestos questionam a nova lei de cidadania, aprovada no dia 11. Segundo ela, membros de grupos religiosos, como hindus e cristãos, vindos de vizinhos como Bangladesh, Paquistão e Afeganistão e que se estabeleceram na Índia antes de 2015, poderão pleitear cidadania por causa da perseguição nos seus lugares de origem.

Mas a lei não oferece a mesma proteção para muçulmanos, 14% da população da Índia. Críticos afirmam que o governo de Modi, um nacionalista hindu, ameaça a tradição secular do país.

Veja também

Empresas nos Estados Unidos procuram desesperadamente trabalhadores
Mundo

Empresas nos Estados Unidos procuram desesperadamente trabalhadores

China adia maratona de Wuhan por foco de contágios de Covid-19
Coronavírus

China adia maratona de Wuhan por foco de contágios de Covid-19