Mundo

Residência de Cristina Kirchner é revistada em Buenos Aires

O Senado da Argentina autorizou na noite de quarta (23) a revista das residências de Cristina Kirchner. A autorização teve o aval de todos os 67 senadores presentes na sessão, inclusive da própria Cristina

Cristina KirchnerCristina Kirchner - Foto: José Cruz/Agência Brasil

Um grupo de policiais dirigiu-se nesta quinta-feira ao prédio onde se localiza a residência da ex-presidente da Argentina Cristina Kirchner (2007-2015) em Buenos Aires para realizar os procedimentos de busca e apreensão.

A operação começou sem a presença do juiz Claudio Bonadio, que ordenou a busca em três residências de Kirchner no caso que investiga propinas milionárias em troca de contratos de obras públicas.

A operação transcorre no exclusivo bairro de Recoleta, com várias patrulhas policiais e um cordão de isolamento no prédio da ex-presidente. O procedimento de busca e apreensão ainda não teve início em outras duas propriedade de Kirchner, uma em Río Gallegos e outra em El Calafate, no sul do país.

O Senado da Argentina autorizou na noite de quarta (23) a revista das residências de Cristina Kirchner. A autorização teve o aval de todos os 67 senadores presentes na sessão, inclusive da própria Cristina Kirchner. Não houve abstenções.

A revista foi solicitada pelo juiz Claudio Bonadio, já que a ex-presidente, eleita senadora em 2017, tem foro privilegiado e, como senadora, não pode ser detida, embora possa ser acusada e condenada.

Leia também:
Senado argentino autoriza buscas em residências de Cristina Kirchner
Cristina Kirchner nega ter recebido propina e denuncia "perseguição"

Em carta aos diferentes blocos do Senado, divulgada na terça-feira, Kirchner se declarou disposta a permitir a revista às suas residências, embora tenha pedido que proíbam a presença de câmeras durante o procedimento.

Também solicitou que estivessem presentes seus advogados e um senador durante os procedimentos. Esses pedidos, especialmente o de impedir a divulgação de imagens, foi apoiado por vários congressistas com o argumento de resguardo da intimidade.

De acordo com os cálculos iniciais, a trama de subornos poderia implicar cerca de 160 milhões de dólares.

A ex-presidente, da corrente de centro esquerda peronista e que sucedeu seu marido Néstor Kirchner no cargo em 2007, é a pessoa de mais alto escalão envolvida no chamado "Escândalo dos cadernos", que investiga supostos subornos de importantes empresários entre 2005 e 2015 para obter contratos de obras públicas.

Segundo os cálculos iniciais, a trama das propinas poderia implicar cerca de 160 milhões de dólares. Paralelamente, a polícia realizou nesta quinta uma inspeção em um convento nos arredores de Buenos Aires, onde em 2016 o ex-vice-ministro de Obras Públicas José López foi capturado em flagrante quando tentava ocultar bolsas com oito milhões de dólares em espécie.

López, detido desde então e julgado pelo episódio, começou a colaborar no caso do "cadernos da corrupção".

A causa judicial começou há um mês baseada em anotações feitas por um ex-motorista do Ministério de Planejamento, Oscar Centeno, que supostamente fez percursos por Buenos Aires durante 10 anos levando e trazendo sacolas carregadas de milhões de dólares.

O apartamento de Kirchner em Buenos Aires, assim como a casa presidencial de Olivos e a Casa Rosada, sede do governo, aparecem nesses cadernos como pontos de entrega das sacolas. O juiz busca pistas sobre onde poderia ter ficado o dinheiro, aparentemente sempre recebido em espécie.

As anotações do motorista logo se somaram às confissões de vários empresários detidos que decidiram ir à Justiça na condição de arrependido, assim como, recentemente, ex-funcionários do governo de Néstor (2003-2007) e Cristina Kirchner.

Além deste caso, Cristina Kirchner enfrenta outros cinco processos por suposto enriquecimento ilícito e por encobrimento de iranianos acusados pelo atentado à mutual judaica AMIA em 1994, que deixou 85 mortos e 300 feridos.

Veja também

Militares ucranianos de Azovstal receberam ordem de Kiev para deixar de combater
Ucrânia

Militares ucranianos de Azovstal receberam ordem de Kiev para deixar de combater

Rússia afirma que conquistou quase por completo a região de Lugansk
Guerra na Ucrânia

Rússia afirma que conquistou quase por completo a região de Lugansk