Resort nas Filipinas é alvo de ataque reivindicado pelo Estado Islâmico

Estado Islâmico informou em um comunicado que os autores do ataque eram soldados da milícia.

Policiais e médicos em frente ao  hotel cassino de Manila, nas FilipinasPoliciais e médicos em frente ao hotel cassino de Manila, nas Filipinas - Foto: NOEL CELIS / AFP

Disparos foram reportados em um hotel cassino de Manila, capital das Filipinas, nesta quinta-feira (1º), informou o operador do complexo. Pouco depois a facção extremista Estado Islâmico reivindicou a autoria do ataque.

"O Resorts World Manila está interditado, depois de informes de disparos [efetuados] por homens não identificados", relatou a empresa em sua conta no Twitter. "A companhia está trabalhando estreitamente com a polícia nacional para garantir que todos os clientes e funcionários estejam a salvo", acrescentou a nota.

O Estado Islâmico informou em um comunicado que os autores do ataque eram soldados da milícia.

A polícia confirmou os informes de tiros no Resorts World, que fica em frente a um dos terminais do aeroporto internacional de Manila. O ataque não deixou vítimas.

Na última passada, o presidente filipino, Rodrigo Duterte, impôs a lei marcial em toda Mindanao (sul) para por fim ao que ele chamou de ameaça crescente do Estado Islâmico na região.

A declaração da lei marcial ocorreu logo após militantes realizarem atos de violência na cidade de Marawi (sul), que fica a 800 km de Manila. O ataque desta quinta (1º) ocorre em meio a uma ofensiva do governo filipino contra milícias ligadas à facção extremista Estado Islâmico.

Duterte alertou na semana passada que ele pode vir a estender a lei marcial para o resto do país se a ameaça terrorista se espalhar.

Veja também

Pequim registra variante britânica do coronavírus e decreta lockdown parcial
China

Pequim registra variante britânica do coronavírus e decreta lockdown parcial

Melania Trump sai como a primeira-dama mais impopular da história, diz pesquisa
EUA

Melania Trump sai como a primeira-dama mais impopular da história, diz pesquisa