Rússia envia militares para combater incêndios florestais na Sibéria

As chamas já devastaram uma área de quase 3 milhões de hectares

Incêndio florestal atinge boa parte da SibériaIncêndio florestal atinge boa parte da Sibéria - Foto: Getty Images

Enquanto moradores de cidades da Sibéria lutam contra os efeitos da fumaça dos incêndios florestais, o presidente da Rússia, Vladimir Putin, ordenou que militares reforcem os esforços para combater o fogo que está devastando a região.

"Os militares serão envolvidos nos trabalhos de extinção dos incêndios siberianos", anunciaram nesta quinta-feira (1º) autoridades do Kremlin. Putin determinou o reforço depois de ler o relatório do ministro de Emergências, Evgueni Zinichev, sobre a situação.

Como resposta às ordens do governo, o Ministério da Defesa anunciou o envio de 10 aviões IL-76 e 10 helicópteros "com equipamento especial para lançar água" sobre os incêndios de Krasnoyarsk, na Sibéria.

Leia também:
Incêndio florestal atinge Portugal e fere mais de 30 pessoas
Incêndio atinge apartamento na orla de Boa Viagem


Segundo o Serviço de Proteção Florestal da Rússia, há 147 focos de incêndios na região, sendo que 32 foram extintos nas últimas 24 horas.

As chamas já devastaram uma área de quase 3 milhões de hectares. A região de Irkutsk é a mais afetada pelo fogo. Mais de 2,7 pessoas participam dos esforços para conter as chamas.

O Serviço de Proteção Florestal (SPF) afirmou ainda que outros 321 incêndios em áreas remotas e de difícil acesso estão sendo apenas monitorados e não combatidos, por não ameaçarem centros populacionais e objetos econômicos.

"As perdas projetadas no combate a esses incêndios superam seu potencial de danos", acrescentou o SPF.

Especialistas alertam, no entanto, que o dano causado pelos incêndios vai muito além da questão financeira.

O Greenpeace afirmou que a situação é uma "catástrofe ecológica" e teme que isso impacte ainda mais no clima, acelerando o aquecimento global.

Veja também

Uso de enxaguante bucal para combater coronavírus não tem comprovação científica
Fake News

Uso de enxaguante bucal para combater coronavírus não tem comprovação científica

Londres prende centenas de manifestantes por violarem restrições da Covid
Coronavírus

Londres prende centenas de manifestantes por violarem restrições da Covid