Serra sugere que Vaticano, EUA e Cuba podem ajudar Venezuela

Serra não especificou se uma atuação do trio para fomentar o diálogo entre governo e oposição está sendo discutida nos bastidores

Lumière! A Aventura Começa Lumière! A Aventura Começa  - Foto: Divulgação

O chanceler brasileiro, José Serra, sugeriu em Assunção que uma intermediação de Vaticano, Estados Unidos e Cuba "pode ajudar" na solução da crise política na Venezuela.

Serra não especificou se uma atuação do trio para fomentar o diálogo entre governo e oposição está sendo discutida nos bastidores.

O governo venezuelano revelou recentemente ter pedido a ajuda do Vaticano, a exemplo do que ocorreu no processo de reaproximação entre Washington e Havana. Mas a participação de EUA e Cuba não tinha sido anunciada como uma possibilidade concreta até agora.

"Eu espero que agora, se o Vaticano for fazer alguma intermediação, mais EUA e Cuba, que [isso] pode ajudar nesse processo. Talvez a gente tenha uma saída, porque tem que ter uma saída", afirmou o chanceler brasileiro ao ser questionado sobre a situação venezuelana.

Segundo Serra, durante a reunião na residência oficial do presidente paraguaio, Horacio Cartes e o presidente Michel Temer não discutiram sobre Venezuela, "porque já há um consenso de que a Venezuela tem que encontrar uma saída".

"[A Venezuela] é um país que está se desintegrando, [tem] presos políticos, faltam 95% dos medicamentos, [há] desabastecimento de alimentos. Ninguém quer que a Venezuela continue nesse processo", afirmou.

Temer, acompanhado de Serra e mais quatro ministros -Raul Jungmann (Defesa), Alexandre de Moraes (Justiça), Sérgio Etchegoyen (Gabinete de Segurança Institucional) e Marcos Pereira (Desenvolvimento, Indústria e Comércio)- passou pela Argentina nesta segunda (3) antes de ir ao Paraguai.

Em Assunção, ele chegou ao fim da tarde, se reuniu com Cartes e participou de um jantar na residência oficial. Logo depois, por volta das 21h30, a comitiva embarcou de volta ao Brasil.

Veja também

Quase 40 milhões de eleitores já votaram antecipadamente nos EUA
EUA

Quase 40 milhões de eleitores já votaram antecipadamente nos EUA

França estuda restrições para Covid-19 até abril de 2021
Coronavírus

França estuda restrições para Covid-19 até abril de 2021