Síria cumprirá acordo de zonas seguras, mas responderá a violações

"Cumpriremos com o pacto, mas se houver violação por parte de qualquer organização responderemos de forma contundente" disse ministro sírio

Guerra na SíriaGuerra na Síria - Foto: Abdulmonam Eassa/AFP

O ministro das Relações Exteriores da Síria, Walid al Muallem, disse nesta segunda-feira (8) que seu governo vai respeitar o acordo para reduzir a violência em determinadas áreas da Síria, que foi estabelecido com Rússia, Irã e Turquia como garantidores, mas que responderá se houver infrações ao pacto de cisão da Frente al Nusra pelos signatários. As informações são da Agência EFE.

"Cumpriremos [com o pacto], mas se houver violação por parte de qualquer organização responderemos de forma contundente", advertiu Muallem em uma coletiva de imprensa em Damasco exibida pela emissora de televisão oficial do regime.

O chefe da diplomacia síria disse que um dos objetivos do acordo, que entrou em vigor no sábado (6), é que as facções armadas signatárias se separem da Frente al Nusra, como se chamava o antigo braço da Al Qaeda na Síria até julho, que atualmente opera ao lado de outros grupos dentro da Organização para a Libertação do Levante.

"No memorando é solicitada uma cisão entre os grupos signatários e os que não entraram no pacto, como a Frente al Nusra", disse Muallem, que acrescentou que outra organização terrorista que está fora do acordo é o Estado Islâmico (EI).

Nesse sentido, Muallem lembrou que em todas as áreas em que o acordo está em vigor há presença do antigo braço da Al Qaeda e de outros grupos, como na província de Idlib.

"Em Idlib há presença da Frente al Nusra, dos Livres de Sham e outros grupos. Lá, as facções que entraram no acordo deveriam expulsar a Frente al Nusra", exigiu o ministro sírio.

Se essa separação entre os grupos for bem-sucedida, Muallem previu que será possível atingir a meta de reduzir a violência nessas áreas.

O ministro sírio considerou que os Estados garantidores - Turquia, Rússia e Irã - devem pressionar as facções armadas para que se afastem da Frente al Nusra, tal e como determina o texto do pacto: "Vamos esperar para ver o que eles vão fazer", indicou Muallem.

O ministro acrescentou que não haverá nenhuma força internacional ou da ONU para supervisionar o cumprimento do acordo, apenas a polícia militar russa estará encarregada de fazê-lo.

"Não haverá nenhuma força internacional sob a supervisão da ONU. A Rússia, como garantidora, deixou claro que enviará forças da polícia militar [russa] e estabelecerá postos de observação", segundo Muallem.

O ministro sírio reiterou que seu governo apoia qualquer iniciativa que tenha como objetivo deter o derramamento de sangue na Síria.

Muallem lembrou que o governo sírio participou de todas as rodadas de conversação de paz em Genebra, promovidas pela ONU.

"No entanto, o processo de Genebra não avança porque não há uma oposição patriótica comprometida com sua pátria, e que, além disso, recebe instruções de terceiros países", criticou Muallem, que também acusou a Turquia de violar o cessar-fogo declarado na Síria em dezembro.

Por outro lado, o titular de Relações Exteriores da Síria falou dos processos "de reconciliação", que estão permitindo a retirada de combatentes de grupos armados de distintas áreas do país.

"Hoje há um em Barze, e esperamos outro em Al Qaboun e em Al Yarmouk. Ainda há discussões", destacou Muallem, em referência a áreas distintas dentro e na periferia de Damasco.

Veja também

Policiais do Capitólio prendem homem que tentou passar por barreira
Capitólio

Policiais do Capitólio prendem homem que tentou passar por barreira

EUA realiza última execução do mandato de Trump
EUA

EUA realiza última execução do mandato de Trump