Sobe para mais de 40 o número de mortos em choque de trens no Irã

Colisão deixou também mais de 80 feridos

Jarbas recebeu apoio do prefeito do Paulista, Junior Matuto (PSB)Jarbas recebeu apoio do prefeito do Paulista, Junior Matuto (PSB) - Foto: Thiago Lemos/Divulgação

Ao menos 44 pessoas morreram e 82 ficaram feridas nesta sexta-feira em um choque de trens no norte do Irã - uma das maiores catástrofes ferroviárias do país nos últimos anos -, anunciou o governador da província de Semnan à TV pública Irib.

O acidente ocorreu por volta das 07h50 locais (02h50 de Brasília) quando um trem que transitava entre Tabriz (noroeste) e Mashhad (nordeste) parou em campo aberto, por uma razão desconhecida, perto da cidade de Amirabad, entre Semman e Damghan, segundo o governador da província de Semnan, Mohamad Reza Jabad.

Outro trem que circulava entre Semnan e Mashhad bateu na composição parada.

O número de mortos não parou de aumentar durante todo o dia, até o anúncio, na noite desta sexta-feira, do último balanço, reportado por Hossin Kulvand, chefe dos serviços nacionais de emergência, à TV nacional Irib.

"Quarenta e quatro pessoas perderam a vida", declarou, acrescentando que "82 pessoas ficaram feridas e foram hospitalizadas", das quais 17 com ferimentos leves e tiveram alta.

O acidente ocorreu devido a um erro humano, declarou à Irib o diretor da companhia nacional ferroviária, Mohsen Poor-Seyed Aghaie. O trem que vinha de Semnan "recebeu a ordem de continuar seu caminho e bateu em outro trem (parado) por trás", reportou.

Dois vagões do trem Tabriz-Mashhad se incendiaram e quatro vagões do outro tem descarrilaram, segundo as imagens difundidas pela TV.

"Estava dormindo quando fomos retirados do vagão em chamas", contou à TV iraniana um dos passageiros hospitalizados.

Os bombeiros e os serviços de socorro, principalmente a Crescente Vermelho, combateram as chamas e resgataram feridos durante várias horas.

"Por causa das dificuldades de acesso à região montanhosa e afastada onde ocorreu a colisão, apenas nosso helicóptero pôde chegar ao local do acidente para evacuar os feridos", indicou o diretor da Crescente Vermelha na província de Semnan, Hasan Shokrollahi.

A linha ferroviária que liga Teerã a Mashhad, e que passa pelo local do acidente, ficou fechada enquanto os investigadores determinavam as causas da catástrofe, explicou Sadegh Sokri, um porta-voz da companhia ferroviária nacional.

O presidente Hassan Rohani exigiu uma investigação imediata das razões e eventuais culpados do acidente.

"Dvem ser tomadas todas as medidas preventivas para evitar volte a ocorrer um acidente assim", escreveu em uma carta dirigida a seu primeiro vice-presidente Eshaq Jahangiri.

Em junho de 2014, na linha Teerã-Mashhad, duas pessoas morreram e trinta ficaram feridas no choque de um trem de mercadorias com um trem de passageiros.

Em julho passado, cerca de trinta pessoas ficaram feridas em uma colisão entre um trem e um caminhão perto do Mar Cáspio, na província de Mazandaran (norte), o quarto choque deste ano entre um trem e outro veículo.

Mesmo assim, os acidentes de estrada continuam sendo os mais mortais no país.

Durante o ano passado iraniano (março de 2015 - março de 2016), cerca de 16.000 pessoas perderam a vida nas estradas, principalmente por não respeitar o código de circulação.

Veja também

Chilenos pausam protestos e vão às urnas em massa em plebiscito histórico
Plebiscito

Chilenos pausam protestos e vão às urnas em massa em plebiscito histórico

Piñera vota em plebiscito no Chile sobre mudança na Constituição
Chile

País sai às urnas neste domingo (25) para decidir sobre a elaboração de uma nova Constituição