Solicitações de informações de governos ao Google aumentam 10%

Em seu "boletim de transparência" da informação, empresa explicou que se trata do quarto aumento consecutivo

O Peru do Cão CoxoO Peru do Cão Coxo - Foto: Divulgação

A quantidade de solicitações de informação sobre os usuários do Google feita por governos em todo o mundo alcançou um novo recorde no primeiro semestre de 2016 e aumentou 10% em relação aos últimos seis meses de 2015, anunciou nesta quarta-feira o gigante americano.

Em seu "boletim de transparência" da informação, que a empresa publica desde 2011, o Google explicou que se trata do quarto aumento consecutivo.

Nos seis primeiros meses de 2016, os governos fizeram 44.943 solicitações relacionadas a 76.713 contas de usuários e o Google proporcionou pelo menos uma parte da informação solicitada em 64% das demandas.

Como as outras gigantes da web, o Google destacou que a entrega da informação é feita segundo o processo jurídico do país onde a empresa tem atividades, buscando ao mesmo tempo manter a privacidade de seus usuários.

"Tal como dissemos no passado, quando recebemos uma solicitação de informação sobre nossos usuários, a revisamos cuidadosamente e só damos a informação que a autoridade solicita", disse em um blog Richard Salgado, diretor jurídico do Google.

Os Estados Unidos formularam a maior parte das solicitações governamentais, com 14.169 demandas, das quais 79% foram respondidos.

A Alemanha esteve em segundo lugar, com 8.788 solicitações, seguida pela França com 4.300, Índia (3.452) e Inglaterra (3.302 requerimentos).

A companhia informou que em 2016 recebeu pela primeira vez solicitações de Argélia, Belarus, Ilhas Cayman, El Salvador, Fiji e Arábia Saudita. Em nenhum destes casos o Google passou a informação solicitada.

Veja também

Cientistas advertem que particulas do coronavírus no ar podem ser infecciosas
Alerta

Cientistas advertem que particulas do coronavírus no ar podem ser infecciosas

Ministério Público da Bolívia pede prisão de Evo por terrorismo

Ministério Público da Bolívia pede prisão de Evo por terrorismo