Solidão aumenta risco de morte por infarto e AVC

Estudo recolheu dados de 479 mil pessoas. Questionário perguntava se elas estavam "socialmente isoladas" ou solitárias

Monge budista caminha sozinho pelos jardins do Palácio de Versalhes, na FrançaMonge budista caminha sozinho pelos jardins do Palácio de Versalhes, na França - Foto: Priscilla Aguiar/Portal FolhaPE

Viver só e conviver com poucas pessoas aumenta o risco de se morrer de infarto e de acidente vascular cerebral (AVC), revela um estudo realizado na Grã-Bretanha e publicado nesta terça-feira (27). O estudo recolheu dados de 479 mil pessoas, que responderam a um questionário para saber se estavam "socialmente isoladas" ou solitárias.

Leia também:
Solidão ao extremo na HQ 'Meu amigo Dahmer'
Dança enigmática da solidão


"O isolamento social e o sentimento de solidão estão associados a um maior risco de infarto do miocárdio e acidente vascular cerebral", afirmam pesquisadores finlandeses na revista médica Heart. "O isolamento social parece ser um fator de risco de mortalidade independente após um infarto ou um AVC", acrescentam os pesquisadores.

A originalidade do estudo residiu em isolar este fator de outros. De fato, viver só se soma a outros riscos para o coração, como estilo de vida pouco saudável (tabagismo, alimentação desequilibrada, falta de atividade física e etc), má saúde mental e pobreza. Excluindo os demais riscos, o estudo concluiu que a solidão aumenta em 32% o risco de morte por infarto ou AVC.

Veja também

Quase 40 milhões de eleitores já votaram antecipadamente nos EUA
EUA

Quase 40 milhões de eleitores já votaram antecipadamente nos EUA

França estuda restrições para Covid-19 até abril de 2021
Coronavírus

França estuda restrições para Covid-19 até abril de 2021