Superlua, Lua de Sangue e Lua Azul ao mesmo tempo esta quarta

A simultaneidade não ocorre há mais de um século, porém não poderá ser vista do Brasil

Superlua sobre o céu do Aeroporto de Londres, InglaterraSuperlua sobre o céu do Aeroporto de Londres, Inglaterra - Foto: Justin TALLIS / AFP

Nesta quarta-feira (31) irá ocorrer uma coincidência rara. Ao mesmo tempo, acontecerão três fenômenos lunares: Superlua, Lua de Sangue e Lua Azul. A simultaneidade não ocorre há mais de décadas, porém não poderá ser vista do Brasil.
A coincidência destes três ciclos astronômicos produzirá o que os astrônomos chamam de "superlua azul de sangue".

A Lua Azul, ao contrário do que se imagina, não se refere à coloração do satélite e, sim, a sua periodicidade - a segunda lua cheia no mesmo mês. “Ocorre a cada dois ou três anos, já que o ciclo da lua é diferente ao ciclo da terra, contabilizado pelo calendário gregoriano. Então, em vez de 12 luas cheias em um ano, temos 13”, explicou Cleiton Batista, coordenador do Observatório Astronômico do Alto da Sé, em Olinda.

Leia também:
Superlua ilumina primeira noite de 2018
Japão descobre caverna na Lua


Já a Superlua acontece quando, astronomicamente, a lua se encontra no perigeu, ou seja, no ponto de aproximação máximo atingido pelo satélite na órbita do planeta. Devido à proximidade, o astro chega a se apresentar 14% maior e 30% mais brilhante.

A Lua de Sangue se refere ao tom avermelhado adquirido durante um eclipse em forma total. O eclipse ocorrerá apenas 27 horas depois de a Lua alcançar seu ponto orbital mais próximo à Terra. Um eclipse dessas características também é conhecido como "Lua de sangue" porque o astro não fica completamente negro, visto que uma parte da luz do Sol, refletida pela atmosfera terrestre, alcança indiretamente a superfície lunar. Alguns raios solares também vazam, produzindo um reflexo avermelhado ou acobreado na Lua.  

Lua de Sangue

Lua de Sangue - Foto: Pixabay

Um fenômeno celeste similar ocorreu em 30 de dezembro de 1982 e foi visível na Europa, África e no oeste da Ásia. Na América do Norte, tal eclipse foi observado há 152 anos, em 31 de março de 1866.

Brasil
Do Brasil, segundo Cleiton, não poderemos observar a Lua de Sangue, que só será vista no extremo norte da terra. “O que veremos é uma quase superlua”, disse. O Observatório de Olinda cancelou a programação de observação, a partir desta terça (31), devido à interdição do local devido à organização da cidade para o Carnaval.  

A "superlua azul de sangue" será observável especialmente no oceano Pacífico e oeste da América do Norte, mas quase não será vista no leste. Na costa leste dos Estados Unidos, a Lua começará a entrar na parte exterior da sombra da Terra na quarta-feira (31) às 5h51 (8h51 em Brasília), mas será imperceptível, segundo a Nasa.

O eclipse começará às 6h48 (9h48 em Brasília), menos de meia hora antes do nascer do sol, às 7h11 (10h11 em Brasília). Os observadores no oeste dos Estados Unidos e Canadá poderão ver o eclipse durante toda a sua duração, de uma hora e 16 minutos. O eclipse não será visível na América do Sul, África e Europa Ocidental, mas, sim, na Ásia, Austrália, Nova Zelândia e no leste da Rússia.

Veja também

Chilenos pausam protestos e vão às urnas em massa em plebiscito histórico
Plebiscito

Chilenos pausam protestos e vão às urnas em massa em plebiscito histórico

Piñera vota em plebiscito no Chile sobre mudança na Constituição
Chile

País sai às urnas neste domingo (25) para decidir sobre a elaboração de uma nova Constituição