Surto de ebola no Congo foi contido em grande parte, diz OMS

53 casos da doença tinham sido confirmados entre abril e julho deste ano no país, tendo um total de 29 mortes.

Equipe dos Médicos Sem Fronteiras num hospital em MbandakaEquipe dos Médicos Sem Fronteiras num hospital em Mbandaka - Foto: Junior Kannah / AFP

O diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, informou hoje (7) que o surto de ebola na República Democrática do Congo foi contido em grande parte e que o risco de propagação do vírus na região é considerado baixo.

Por meio de seu perfil na rede social Twitter, ele agradeceu ao governo do país, ao Ministério da Saúde local e aos parceiros pelo que chamou de “trabalho incansável”. “Permanecemos em vigilância e torcemos para que o surto chegue ao fim logo”, concluiu Tedros.

Por meio de comunicado, a OMS informou que os trabalhos de identificação de pessoas que tiveram contato com casos suspeitos ou confirmados da doença no país foram concluídos no dia 27 de junho, quando o último grupo que havia sido exposto ao vírus completou 21 dias de monitoramento sem apresentar sintomas.

Leia também:
Surto de sarampo no Amazonas e em Roraima já registra 500 casos

Mais de 20% dos municípios brasileiros têm risco de surto para dengue
Ministério busca origem do surto de Toxoplasmose no RS

Ainda de acordo com a entidade, no dia 12 de junho, o último paciente diagnosticado com ebola na província de Équateur recebeu alta médica e foi liberado após ser submetido a dois exames de sangue que apresentaram resultados negativos para a doença.

Antes que o surto seja declarado encerrado, a OMS deve aguardar um total de 42 dias (duas vezes o período de incubação do vírus) após o registro da última pessoa exposta a um paciente infectado sem que nenhum novo caso confirmado seja detectado.

De 1º de abril a 3 julho, 53 casos de ebola foram confirmados na República Democrática do Congo, incluindo 29 mortes. O total inclui 38 casos confirmados laboratorialmente e 15 casos prováveis (pacientes considerados suspeitos para a doença, mas que morreram antes que a coleta de sangue fosse feita). Cinco casos envolveram profissionais de saúde, dos quais quatro foram confirmados e dois morreram.

Veja também

Policiais do Capitólio prendem homem que tentou passar por barreira
Capitólio

Policiais do Capitólio prendem homem que tentou passar por barreira

EUA realiza última execução do mandato de Trump
EUA

EUA realiza última execução do mandato de Trump