Táxi atropela grupo em Moscou e fere 7 pessoas

Não há indícios de atentado terrorista, mas o motorista foi detido para esclarecimentos

Motorista do taxi foi perseguido por pedestres, após o incidenteMotorista do taxi foi perseguido por pedestres, após o incidente - Foto: AFP

Um táxi atropelou um grupo de torcedores da Copa do Mundo no centro de Moscou. Sete pessoas ficaram feridas. Segundo a polícia, não há indício de que tenha sido ato terrorista. O motorista, cidadão do Quirguistão, foi detido e disse que perdeu o controle do carro após bater em um poste perto do shopping Gostoni Dvor.

Leia também:
Espanha resgata 933 imigrantes no mar e agora espera navio rejeitado pela Itália

​As informações são da agência Reuters e de sites russos.
Os turistas não tiveram sua nacionalidade divulgada. Segundo testemunhas, eles estavam com as cores do México. Torcedores do país e do Peru estão entre os mais numerosos e barulhentos nas ruas de Moscou.

A segurança na capital e nas outras dez cidades-sede está bastante reforçada para a Copa. Há policiais em todas as estações de metrô, além de paramilitares com cães farejadores de explosivos.

O Quirguistão é uma ex-república soviética de maioria muçulmana na Ásia Central. É berço de alguns movimentos fundamentalistas e grande fornecedora de mão de obra barata para a Rússia.

O incidente elevou a tensão na capital. A prefeitura local instalou vários blocos de concreto nos limites das áreas para pedestres no centro da cidade, justamente temendo atentados usando veículos.
Inspirados pelo grupo Estado Islâmico, esses ataques viraram uma forma de impactar o público sem necessitar de planejamento ou equipamento como armas e explosivos.

Dezenas morreram em atos do gênero nos últimos anos em cidades europeias, como Barcelona, Nice e Londres.

Veja também

Anvisa inspeciona empresa parceira na produção da Sputnik V
Vacina

Anvisa inspeciona empresa parceira na produção da Sputnik V

Apple vê lucro saltar 29% para US$ 28,7 bilhões, um recorde
Economia

Apple vê lucro saltar 29% para US$ 28,7 bilhões, um recorde