Terremoto destrói prédios, estradas e deixa ao menos 22 mortos no Paquistão

O epicentro foi a 22,3 quilômetros ao norte da cidade de Khelum, ao longo da fronteira entre a província de Punjab e a Caxemira paquistanesa

Paquistaneses em hospital após terremoto atingir norte do paísPaquistaneses em hospital após terremoto atingir norte do país - Foto: AAMIR QURESHI / AFP

Um terremoto de magnitude 5,8 atingiu o norte do Paquistão nesta terça-feira (24), matando 22 pessoas e ferindo mais de 200, disseram autoridades do governo e da polícia.

O epicentro foi a 22,3 quilômetros ao norte da cidade de Khelum, ao longo da fronteira entre a província de Punjab e a Caxemira paquistanesa, de acordo com o Instituto de Estudos Geológicos dos Estados Unidos (USGS).

"Foi sentido em maior parte na província de Punjab e em partes de Khyber Pakhtunkhwa [no noroeste do Paquistão]", afirmou o meteorologista paquistanês Muhamad Riaz. "O pior aconteceu em Mirpur", acrescentou.

Leia também:
Choque de trens deixa 11 mortos no Paquistão
Brasil é ultrapassado pelo Paquistão em lista de países mais populosos do mundo


Fotos e vídeos mostram prédios desabados e estradas com rachaduras grandes o suficiente para engolir carros em Mirpur, uma cidade do lado paquistanês do território disputado da Caxemira, perto da Índia.

O general Asif Ghafoor, porta-voz das Forças Armadas do Paquistão, afirmou que tropas do Exército foram enviadas com suporte aéreo e apoio médico.

"No momento, toda a nossa concentração é acelerar a operação de resgate", disse Raja Farooq Haider, primeiro-ministro da região de Azad Kashmir, no Paquistão, à GNN TV. "Há pessoas que estão presas lá e precisam de ajuda imediata. Estamos investindo todos os nossos recursos para que as pessoas tenham o melhor de nossa ajuda", afirmou.

Muhammad Safdar, 60, que mora perto de Mirpur, disse que estava em sua casa quando de repente começou a tremer.

"Vimos paredes e o teto começarem a rachar, ventiladores de teto e outros artigos caindo, e corremos para um campo aberto", disse. "Nunca vi um terremoto tão devastador nesta área da minha vida."

Ramzan Ahmad, 65, que sofreu um ferimento na cabeça, contou que estava com sua família com sete pessoas quando sua casa desabou.

"Todos nós sofremos lesões", afirmou ele. "Vi dezenas de casas destruídas no meu caminho para o hospital."

O último grande terremoto na Caxemira aconteceu em 2005, matando cerca de 75 mil pessoas.

A região do Himalaia é dividida entre a Índia, que governa o populoso Vale da Caxemira e a região dominada pelos hindus em torno da cidade de Jammu, no Paquistão, que controla uma porção de território no oeste, e a China, que possui uma área de alta altitude pouco povoada norte.

O território está em disputa entre a Índia e o Paquistão desde a divisão em 1947, e a causa de duas guerras entre os países.

Veja também

EUA: aumento de pedidos semanais de seguro-desemprego
Mundo

EUA: aumento de pedidos semanais de seguro-desemprego

Opas adverte que Covid-19 continuará se propagando mesmo após vacina
Coronavírus

Opas adverte que Covid-19 continuará se propagando mesmo após vacina