Tigre branco mata cuidador em zoológico no Japão

Akira Furusho, de 40 anos, foi encontrado sangrando no pescoço e autoridades acreditam que ele foi atacado por um dos quatro raros tigres brancos do zoológico

Ataque aconteceu na noite desta segunda-feira no Parque Zoológico de Hirakawa, na cidade de KagoshimaAtaque aconteceu na noite desta segunda-feira no Parque Zoológico de Hirakawa, na cidade de Kagoshima - Foto: Reprodução/Japan Times

Um tigre branco atacou e matou um cuidador em sua jaula na noite dessa segunda-feira (8) no Parque Zoológico de Hirakawa, na cidade de Kagoshima, sul do Japão. O animal será mantido vivo a pedido da família da vítima, informaram autoridades.

"Um tratador foi encontrado desmaiado em uma jaula, sangrando", disse um policial local à AFP, acrescentando que o homem foi levado ao hospital onde foi declarado morto.

Leia também:
Maus-tratos a tigre para selfies de turistas revolta Tailândia
Tufão Trami deixa dois mortos e centenas de feridos no Japão


Akira Furusho, de 40 anos, foi encontrado sangrando no pescoço e autoridades acreditam que ele foi atacado por um dos quatro raros tigres brancos do zoológico, informaram os responsáveis pelo espaço.

O zoológico afirmou também que o tigre macho de 5 anos de idade, chamado Riku, foi sedado com uma arma tranquilizante após o ataque, enquanto equipes de resgate e policiais se dirigiam o local. "Nós pretendemos não matar Riku e mantê-lo (no zoológico) porque a família enlutada nos pediu para fazer isso", disse Takuro Nagasako, um funcionário do zoológico.

O zoológico abriu normalmente nesta terça-feira, mas a área de observação do tigre branco ficou restrita "na medida em que a polícia continua investigando o caso", disse Nagasako à AFP.

Veja também

EUA não suspenderão proibições a viagens, apesar do anúncio de Trump, diz porta-voz de Biden
Pandemia

EUA não suspenderão proibições a viagens, apesar do anúncio de Trump, diz porta-voz de Biden

Oxigênio enviado a Manaus pela Venezuela cruza fronteira com o Brasil
Solidariedade

Oxigênio enviado a Manaus pela Venezuela cruza fronteira com o Brasil