Tiroteio deixa ao menos nove mortos em Ohio

Segundo informações das agências internacionais, o autor dos tiros foi morto pela polícia

Pelo menos 16 pessoas foram transferidas com ferimentos para o hospitalPelo menos 16 pessoas foram transferidas com ferimentos para o hospital - Foto: Derek MYERS / @DerekMyers Twitter account / A

Um tiroteio na madrugada deste domingo (4) deixou ao menos nove mortos e 16 feridos na cidade de Dayton, no estado americano de Ohio.

Segundo informações das agências internacionais, o autor dos tiros foi morto pela polícia. "O autor está morto. Há outros nove mortos. Pelo menos 16 pessoas foram transferidas com ferimentos para o hospital", informou a polícia sobre o novo tiroteio pelo Twitter.

Uma porta-voz do hospital local Miami Valley confirmou à imprensa que 16 feridos no tiroteio foram encaminhados ao local, mas ainda não tinha informações sobre suas condições.

Este é o segundo massacre nos Estados Unidos em menos de 24 horas e o terceiro em uma semana. Neste sábado (3), um tiroteio em um hipermercado da rede Walmart em El Paso, no Texas, deixou ao menos 20 mortos e 26 feridos.

No domingo passado (28), um jovem de 19 anos invadiu a Festa do Alho de Gilroy, um festival gastronômico na Califórnia, matou a tiros três pessoas e deixou outras 12 feridas. O adolescente se matou na sequência.

Leia também:
Maioria dos detentos em presídio do massacre de Altamira são provisórios
Massacre de Columbine, uma memória fresca 20 anos depois
Autor de massacre na Nova Zelândia terá de passar por avaliação psiquiátrica 

O incidente deste domingo ocorreu pouco antes da 1h da manhã, horário local, no distrito de Oregon, conhecido por seus bares e vida noturna, disse o tenente-coronel da polícia local Matt Carper.

"Fomos informados de um atirador e várias vítimas. O autor está morto, por ferimentos a bala causados pela reação da polícia", declarou, esclarecendo que nenhum agente ficou ferido. O suspeito abriu fogo na rua disparando "vários tiros com uma arma longa".

A polícia tenta identificar o autor do tiroteio e o FBI foi ao local para fornecer a ajuda necessária, acrescentou.

Carper disse também que o distrito de Oregon era "uma parte muito segura do centro de Dayton", muito popular e visitado. "Felizmente, tivemos muitos agentes por perto quando o incidente começou, então a violência durou pouco tempo. É um incidente muito trágico e estamos tentando ao máximo investigá-lo e tentar identificar o motivo do tiroteio".

Ainda segundo o tenente-coronel, muitas testemunhas e policiais ainda estavam sendo interrogados "para determinar se havia mais alguém envolvido".

A cada ataque como os deste final de semana, os EUA retomam o debate sobre restringir a posse de armas, mas as propostas não conseguem avançar.

A medida mais citada é aumentar a checagem de antecedentes criminais de quem compra armas. Uma proposta nesse sentido segue travada no Senado, de maioria republicana.

No país, o lobby da bala, representado pela NRA (National Rifle Association, o lobby pró-armas americano), historicamente faz doações a congressistas -particularmente republicanos– para evitar regulações mais rígidas envolvendo a posse de armas.

Grupos armamentistas dizem que a segunda emenda da Constituição dos EUA dá ao indivíduo direito de manter e de portar uma arma de fogo.

O número estimado de armas (registradas e ilegais) entre os cidadãos varia de 265 milhões a quase 400 milhões -a população americana soma cerca de 328 milhões de habitantes.

Veja também

Nicarágua rejeita relatório do Conselho de Direitos Humanos da ONU
ONU

Nicarágua rejeita relatório do Conselho de Direitos Humanos da ONU

Situação na Europa preocupa apesar de restrições para conter pandemia
Coronavírus

Situação na Europa preocupa apesar de restrições para conter pandemia