Trem que matou brasileira em Nova Jersey acelerou bruscamente

Fabíola Bittar de Kroon, de 34 anos, tinha acabado de deixar a filha de um ano em uma creche

Hotel Transilvânia 3: férias monstruosas Hotel Transilvânia 3: férias monstruosas  - Foto: Divulgação

O trem que colidiu no final de setembro contra a plataforma de uma estação de Nova Jersey, matando uma brasileira e deixando 100 feridos, acelerou subitamente, justo antes de entrar na estação. A aceleração aconteceu menos de um minuto antes do acidente na estação de Hoboken, informou o NTSB, órgão americano responsável pela segurança nos transportes, nesta quinta-feira (6).

"A caixa-preta indica que o acelerador passou da posição neutra para a posição 4, quando o trem avançava a 13 km/h, aproximadamente 38 segundos antes da colisão. A velocidade do trem começou a aumentar e alcançou um máximo de 33 km/h", disse o NTSB, em um comunicado. A única vítima letal do acidente, a brasileira Fabíola Bittar de Kroon, de 34 anos, tinha acabado de deixar a filha de um ano em uma creche e esperava o trem na plataforma da estação de Hoboken para ir a Manhattan.

Os investigadores, que chegaram a Hoboken no dia do acidente em 29 de setembro, passaram dias tentando recuperar as caixas-pretas e a câmera de vídeo instalada na frente do trem. O NTSB ressaltou que os dados das caixas e da câmera foram recuperados, mas não antecipou nenhuma hipótese sobre a súbita aceleração do trem, que levava 250 passageiros de Manhattan a Hoboken no horário do rush.

O comunicado não menciona o maquinista do trem, ferido no acidente e que diz se lembrar de ter entrado na estação a 10 milhas/hora. O homem garante não se lembrar o momento do acidente. O confronto reabriu o debate sobre os problemas de segurança dos trens e os atrasos nos investimentos na rede férrea americana.

Veja também

Quase 40 milhões de eleitores já votaram antecipadamente nos EUA
EUA

Quase 40 milhões de eleitores já votaram antecipadamente nos EUA

França estuda restrições para Covid-19 até abril de 2021
Coronavírus

França estuda restrições para Covid-19 até abril de 2021