Tremor de 7 graus sacode costa centro-americana do Pacífico

O fenômeno foi sentido com força não apenas em El Salvador, mas também na Nicarágua e na Costa Rica

Meirelles (MDB) em "erros de gravação" do guia eleitoralMeirelles (MDB) em "erros de gravação" do guia eleitoral - Foto: Divulgação/Youtube

A América Central foi castigada nesta quinta-feira (24) pela passagem do furacão Otto e pelo terremoto simultâneos, provocando alarme na Nicarágua, em El Salvador e na Costa Rica.

"Acho que fomos bem, porque não temos vítimas, à exceção de uma morte por infarto" em San Juan del Sur (no sul da Nicarágua, perto da fronteira com a Costa Rica), ocorrida após o alerta de tsunami ativado pelo terremoto, declarou a primeira-dama nicaraguense e vice-presidente eleita, Rosario Murillo.

O sismo foi detectado às 18h43 GMT (16h43 de Brasília) em frente ao departamento (estado) oriental de Usulután, a 10,3 km de profundidade, segundo dados atualizados pelo Serviço Geológico dos Estados Unidos (USGS, na sigla em inglês).

O fenômeno foi sentido com força não apenas em El Salvador, mas também na Nicarágua e na Costa Rica.

As autoridades de El Salvador e da Nicarágua emitiram alertas de tsunami e fizeram um apelo para que as populações costeiras fossem evacuadas. Duas horas depois, suspenderam as medidas, ao considerar que o perigo havia passado.

O presidente da Nicarágua, Daniel Ortega, manteve a declaração de "emergência nacional" por conta o terremoto e pela passagem do furacão Otto, cujo olho entrou no território nicaraguense pelo Caribe na manhã de quinta.

Ao anoitecer, o furacão Otto foi rebaixado para a categoria tempestade tropical em seu avanço para o Oceano Pacífico.

Otto avança em terra firme
O Otto, que seguia para o Oceano Pacífico pelo noroeste da Costa Rica, registrava ventos máximos de 110 km/h com rajadas mais intensas. O fenôemno deve perder ainda mais força nas próximas 48 horas, de acordo com o Centro Nacional de Furacões (NHC) dos Estados Unidos.

Ao entrar na Nicarágua, a velocidade dos ventos era de 165 km/h, com rajadas de até 195 km/h, deslocando-se para o oeste, paralelamente ao rio San Juan.

Mais cedo, os moradores relataram seus temores à AFP.

"O vento está bem forte, e chove forte desde a manhã de quinta-feira. Vimos cair o teto de casas de vizinhos", disse Aldrick Beckford, morador de San Juan del Norte.

"A situação é difícil, as rajadas de ventos são impressionantes, há cabos (elétricos) rompidos, árvores caídas e os solos estão encharcados", contou o jornalista Juan Cortez, do Canal 4.

Os ventos levaram o teto da prefeitura de San Juan, que abrigava um posto de comando para atender às emergências.

Na Costa Rica, continuava a mobilização em povoados fronteiriços, onde se espera que o furacão chegue com maior força nas próximas horas.

No povoado de La Cruz de Guanacaste, com 24.000 habitantes, as lojas fecharam as portas, e alguns locais selaram as janelas com placas de madeira, frente à chegada iminente da tempestade, segundo imagens exibidas em telejornais.

As autoridades da cidade se mobilizavam com rapidez para levar os moradores de áreas de risco para abrigos mais seguros, após o anúncio de que o ciclone impactaria o local com mais força do que o esperado.

No Panamá, oito pessoas morreram pela passagem do Otto, embora apenas três diretamente, informaram as autoridades na quinta-feira.

Agora, as equipes de resgate no Panamá concentram seus esforços em encontrar três pessoas desaparecidas após o naufrágio de uma embarcação e uma que foi surpreendida por um deslizamento enquanto dormia em casa. O imóvel foi arrastado por um deslizamento de terra.

Veja também

A 9 dias da eleição nos EUA, número de votos antecipados em 2020 ultrapassa os de 2016
EUA

A 9 dias da eleição nos EUA, número de votos antecipados em 2020 ultrapassa os de 2016

Festa nas ruas do Chile após aprovação de nova Constituição em plebiscito
América Latina

Festa nas ruas do Chile após aprovação de nova Constituição em plebiscito