A-A+

Trump agradece a Irã por negociação justa para libertar prisioneiros

Foram libertados Massud Soleimani, iraniano detido nos Estados Unidos, e Xiyue Wang, americano preso no Irã

O prisioneiro americano Xiyue Wang que foi libertadoO prisioneiro americano Xiyue Wang que foi libertado - Foto: HO / US State Department / AFP

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, agradeceu neste sábado (7) ao Irã por uma "negociação muito justa" após uma troca de prisioneiros entre os dois países inimigos, organizada pela Suíça.

Foram libertados Massud Soleimani, iraniano detido nos Estados Unidos, e Xiyue Wang, americano preso no Irã.

"Obrigado ao Irã por uma negociação justa. Vejam bem, podemos chegar a um acordo juntos", escreveu Donald Trump no Twitter.

Leia também:
Câmara dos Representantes avança com acusação para destituir Trump
Relatório de impeachment da Câmara acusa Trump de abuso de poder


"Contente de que o professor Massud Soleimani e o senhor Xiyue Wang reencontrem seus familiares em breve", havia tuitado mais cedo o chefe da diplomacia iraniana, Mohammad Javad Zarif.

Este último dirigiu "um forte agradecimento a todos os implicados [na libertação dos presos], particularmente o governo suíço", que representa os interesses americanos em Teerã na ausência de relações diplomáticas entre os dois países desde 1980.

Xiyue Wang se encontra na Alemanha, onde faz exames de saúde. Ele permanecerá no país europeu por uma curta estadia, indicou um alto funcionário da administração americana. Ele está "de muito, muito bom humor" e aparentemente goza de boa saúde.

"A Suíça confirma seu papel no gesto humanitário que teve lugar hoje em seu território e conduziu a libertação dos senhores Soleimani e Wang", detalhou o ministério suíço de Assuntos Estrangeiros.

Fotos publicadas por Washington mostram Wang sendo recebido por diplomatas americanos na pista do aeroporto de Zurique.

Xiyue Wang, pesquisador sino-americano, cumpria pena de dez anos de prisão por espionagem no Irã. Doutorando em história na Universidade de Princeton, nos Estados Unidos, ele fazia pesquisas sobre a dinastia Qajar, no Irã, onde foi preso em agosto de 2016.

Massud Soleimani, professor da Universidade Tarbiat Moddares de Teerã e especializado em células-tronco, se encontrava nos Estados Unidos em 22 de outubro de 2018 para fazer trabalhos de pesquisa. Ele foi preso em sua chegada ao aeroporto de Chicago e transferido para uma prisão em Atlanta, segundo a agência oficial iraniana Irna.

Em um comunicado, o chefe da diplomacia americana, Mike Pompeo, agradeceu ao governo suíço e comemorou que Teerã "tenha sido construtivo nesta questão".

"Nós continuamos a pedir a libertação de todos os cidadãos americanos injustamente detidos no Irã", acrescentou.

Um alto funcionário americano, que pediu para ter a identidade protegida, disse confiar em que a libertação de Wang sinalize que "os iranianos são, talvez, prontos a discutir todas estas questões", principalmente sobre seus programas nuclear e de armamento, de "reféns americanos" detidos no Irã e das "atividades nefastas" de Teerã na região.

Veja também

G20: Brasil vai priorizar temas como saúde, tecnologia e meio ambiente
Brasil

G20: Brasil vai priorizar temas como saúde, tecnologia e meio ambiente

ONU teme 'crimes hediondos em massa' em Mianmar
Direitos Humanos

ONU teme 'crimes hediondos em massa' em Mianmar