Trump ataca críticos durante visita a cidades atingidas por massacres

Ele não deixou, no entanto, de responder aos críticos que o acusaram de estimular a violência

Donald TrumpDonald Trump - Foto: Brendan Smialowski / AFP

Em visita oficial a El Paso, no Texas, e a Dayton, no Ohio, cidades onde ocorreram os tiroteios do último fim de semana, o presidente dos Estados Unidos (EUA), Donald Trump, evitou os manifestantes que o aguardavam, encontrando-se apenas com agentes policiais e sobreviventes. Ele não deixou, no entanto, de responder aos críticos que o acusaram de estimular a violência.

Donald Trump visitou inicialmente Dayton, no estado do Ohio. Acompanhado da mulher, Melania, visitou o hospital de Miami Valley, onde conversou com algumas vítimas do tiroteio e conheceu alguns funcionários. "Deus olhava por vocês. Quero que saibam que estivemos com vocês o tempo todo", disse aos sobreviventes e familiares.

"Todos o receberam de forma muito calorosa. Todos estavam mesmo muito, muito entusiasmados por vê-lo", disse Stephanie Grisham, secretária de imprensa da Casa Branca. Mas à porta do hospital esperavam-no mais de 200 manifestantes – incluindo um balão do "bebê Trump" –, acusando o presidente de contribuir para as tensões raciais e políticas no país e pedindo maior controle de armas.

Leia também:
Mourão associa tremores de Merkel a medo de Donald Trump
Em conversa reservada com Trump sobre Venezuela, Bolsonaro rejeita ação militar




"Fim ao ódio", "Trinta e dois segundos, nove mortos", "Faz alguma coisa", "Salva a nossa cidade", gritava a multidão, acusando Trump de fomentar o ódio racial no país.

A chefe do executivo municipal de Dayton, Nan Whaley, estimulou os moradores da cidade a "erguerem-se" contra Trump: "Ele tem de se deitar na cama que fez. A sua retórica tem sido dolorosa para a nossa comunidade".

Em seguida, o presidente norte-americano dirigiu-se a El Paso, onde teve recepção semelhante.

Como era esperado, Trump foi recebido por centenas de manifestantes no Washington Park, perto da fronteira com o México, mas evitou encontrar-se com eles. Lá, esteve também em um hospital, onde se encontrou com sobreviventes e funcionários.

"Racista, vai para casa", "Protege os nossos filhos, não a NRA", "Vai-te embora, Trump" – foram algumas das frases ouvidas.

A congressista democrata que representa El Paso, Veronica Escobar, recusou-se a encontrar com Trump, alegando que "suas palavras e ações racistas e odiosas" tinham causado dor à comunidade e ao país.

A presidente da câmara, Dee Margo, disse que apenas ia receber o presidente por um "dever formal".

Cassanda Hernandez, representante do Conselho de El Paso, destacou que as pessoas estão vivendo na cidade com medo de outro ataque e a ameaça do nacionalismo branco.

"As pessoas têm medo de serem hispânicas", disse, referindo-se ao manifesto publicado pelo atirador suspeito, que afirmou existir uma "invasão hispânica no Texas". "Ele não é bem-vindo aqui. Ele não pediu desculpa à cidade, nem às pessoas de ascendência mexicana".

Beto O’ Rourke, um dos candidatos democratas às eleições de 2020 e residente da cidade, foi mais longe. No Twitter, escreveu que "não há lugar" para o presidente dos EUA em El Paso e que Trump "ajudou a criar o ódio que fez a tragédia de sábado possível".

Veja também

Uso de enxaguante bucal para combater coronavírus não tem comprovação científica
Fake News

Uso de enxaguante bucal para combater coronavírus não tem comprovação científica

Londres prende centenas de manifestantes por violarem restrições da Covid
Coronavírus

Londres prende centenas de manifestantes por violarem restrições da Covid