Trump defende direito de se 'autoperdoar'

Ele também afirmou, mais uma vez, que é alvo de uma campanha para prejudicar o seu governo, que incluiria a investigação do envolvimento russo nas eleições de 2016

Presidente dos EUA, Donald TrumpPresidente dos EUA, Donald Trump - Foto: Nicholas Kamm / AFP

O presidente americano, Donald Trump, disse nesta segunda-feira (4) mas que tem o poder de conceder o perdão legal a si mesmo, mas que não o fará porque não cometeu nenhuma irregularidade.

A declaração repete o argumento apresentado pelos advogados do presidente em um documento enviado ao procurador especial que está investigando suspeita de ligação com a Rússia. "Como já foi dito por diversos juristas, eu tenho total direito de conceder o perdão a mim, mas por que eu faria isso quando eu não fiz nada de errado?", escreveu Trump nas redes sociais.

Ele também afirmou, mais uma vez, que é alvo de uma campanha para prejudicar o seu governo, que incluiria a investigação do envolvimento russo nas eleições de 2016. "A interminável caça às bruxas liderada por 13 democratas muito irritados e confusos (e outros) continua até as eleições", disse.

Leia também:
Organização antinuclear quer custear encontro Trump-Kim
Trump confirma encontro com Kim Jong-un em Singapura


Aparentemente esta é a primeira vez que que Trump se refere diretamente ao direito de perdoar a si mesmo, apesar de seus advogados terem explicado de maneira bem clara as prerrogativas presidenciais, incluindo o direito ao perdão.

Um dos advogados de Trump, o ex-prefeito de Nova York Rudolph Giuliani, afirmou no domingo (3) que o presidente "provavelmente" teria o poder de perdoar a si mesmo ante qualquer acusação resultante da investigação sobre a interferência russa.

Mas garantiu que o presidente não tinha intenção de fazer isso. "Perdoar outras pessoas é uma coisa. Perdoar a si mesmo é outra", afirmou Giuliani, que disse que a medida poderia acabar levando ao impeachment do presidente.

No sábado (2), o jornal The New York Times revelou uma carta de janeiro enviada pelos advogados de Trump a Robert Mueller, o procurador especial que investiga o caso russo. Nela, a equipe legal do presidente argumenta que Trump "poderia, se quisesse, acabar com a investigação ou inclusive exercer seu poder de perdão se assim o desejasse".

Veja também

Charles não quer deixar filho de Harry se tornar príncipe, diz jornal
Família Real

Charles não quer deixar filho de Harry se tornar príncipe, diz jornal

EUA congelam negociações na área ambiental, e Brasil teme retaliação econômica
Mundo

EUA congelam negociações na área ambiental