Mundo

Trump diz que Europa vive “bagunça”

A política de imigração dos Estados Unidos diz respeito ao governo dos Estados Unidos

Grupos protestam contra TrumpGrupos protestam contra Trump - Foto: Zack Gibson/AFP

 

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse ontem, em mensagem no Twitter, que o país precisa de fronteiras fortes e que a Europa e o mundo vivem uma “bagunça”.

“Nosso país necessita de fronteiras fortes e controle extremo. Agora. Veja o que está acontecendo na Europa e no mundo - uma terrível bagunça!”, disse Trump na rede social.

O presidente postou a mensagem após uma juíza ter determinou, na noite do sábado, a permanência nos Estados Unidos de refugiados e imigrantes de sete países muçulmanos que estavam prestes a serem deportados em razão de uma ordem executiva de Trump que barra a entrada de cidadãos do Iraque, Síria, Irã, Sudão, Líbia, Somália e Iêmen. A ordem foi anunciada na última sexta-feira e entre 100 e 200 pessoas que estavam em voos para os Estados Unidos ou já se encontravam em solo americano foram detidas e aguardavam ser deportadas, apesar de terem visto para entrar no país.

Críticas e protestos
A aplicação do decreto anti-imigração provocou diversas manifestações de repúdio nos Estados Unidos e reações críticas de vários países e lideranças políticas, segundo a Radio France Internacionale.Protestos também foram realizados nos aeroportos de Dulles, perto de Washington, Chigago (Norte), São Francisco (Oeste), Los Angeles (Sudoeste) e Dallas (Sul).

A chanceler alemã Angela Merkel considerou que não são “justificadas” as medidas de restrição à imigração adotadas nos Estados Unidos por Donald Trump. “Ela está convencida que mesmo no âmbito da luta indispensável contra o terrorismo, não é justificado suspeitar de maneira generalizada as pessoas em função de sua origem ou crença”, disse o porta-voz Steffen Seibert, citado pela agência de notícias DPA.

 A declaração da chanceler é feita no dia seguinte ao contato telefônico que a líder teve com o presidente americano. O comunicado emitido após a conversa não menciona as novas restrições impostas pela Casa Branca.

Depois de ter sido muito criticada pela recusa em comentar a decisão do governo americano, a primeira-ministra britânica Theresa May, que esteve reunida durante a semana com Donald Trump, se posicionou ontem sobre o decreto anti-imigração.

“A política de imigração dos Estados Unidos diz respeito ao governo dos Estados Unidos, da mesma maneira como a nossa deve ser fixada pelo nosso governo. Mas não estamos de acordo com esse tipo de abordagem”, declarou um porta-voz de Downing Street. Londres afirma que irá “intervir junto ao governo americano” se a política de imigração tiver um impacto sobre os cidadãos britânicos.

 

Veja também

Ucrânia denuncia bombardeio "maciço" de Belarus com mísseis russos
Guerra na Ucrânia

Ucrânia denuncia bombardeio "maciço" de Belarus com mísseis russos

Ucrânia: Severodonetsk está "totalmente ocupada" por exército russo, diz prefeito
Conflito na Ucrânia

Ucrânia: Severodonetsk está "totalmente ocupada" por exército russo, diz prefeito