Trump diz que venceu Estado Islâmico na Síria e ordena retirada de tropas

Decisão americana foi vista como um aceno à Turquia após a libertação de um pastor americano de uma prisão turca, em outubro

Donald Trump Donald Trump  - Foto: Mandel Ngan/AFP

A Casa Branca anunciou nesta quarta-feira (19) que os EUA derrotaram a facção terrorista Estado Islâmico na Síria e vão começar a retirar os cerca de 2.000 soldados americanos que estão no país. Em uma rede social, o presidente Donald Trump escreveu: "Nós derrotamos o Estado Islâmico na Síria, minha única razão para estar lá durante a Presidência Trump".

Pouco depois, a porta-voz da Casa Branca, Sarah Sanders, reiterou o discurso de que os EUA tinham derrotado a milícia extremista e confirmou a retirada das tropas, negando que isso signifique o fim do apoio americano no país. "Nós começamos a trazer para casa soldados americanos conforme nós fazemos a transição para a próxima fase da campanha", disse Sanders.

Ela afirmou ainda que os EUA e seus aliados vão continuar "a trabalhar juntos para negar aos terroristas do Estado Islâmico terreno, financiamento, apoio e quaisquer meios de se infiltrar em nossas fronteiras".

Leia também:
Trump suaviza posição sobre desbloqueio de US$ 5 bi para muro na fronteira
Afeganistão, Síria, Índia, EUA e México estão entre países com mais mortes de jornalistas


A medida enfrenta oposição no Pentágono, com autoridades afirmando que representaria uma traição aos aliados curdos que combateram ao lado dos Estados Unidos na Síria. Eles estariam sob ameaça de uma ofensiva militar da Turquia.

Ancara considera as forças curdas apoiadas pelos americanos um grupo terrorista, por causa de sua conexão com o PKK (Partido dos Trabalhadores do Curdistão). Os sírios curdos, que controlam cerca de 30% da Síria, querem criar uma região autônoma no nordeste do país.

As fontes do Pentágono também avaliam que uma saída abrupta dos EUA poderia levar a um fortalecimento do EI. O grupo já perdeu quase todo o território que ocupava na Síria e no Iraque. Um relatório de uma autoridade do Departamento da Defesa calcula que haveria cerca de 30 mil membros do grupo na Síria e no Iraque.
Os soldados americanos assessoravam uma milícia de tropas árabes e curdas.

O secretário de Defesa, Jim Mattis, e outras autoridades vinham tentando dissuadir Trump de uma retirada completa. Eles consideram que a mudança poderia levar a uma maior influência da Rússia e do Irã na Síria.

A saída da Síria, porém, era promessa de campanha de Trump. Em abril, o presidente relutou, mas concordou em dar ao Departamento de Defesa mais tempo para concluir a missão no país.

Um oficial do Departamento de Defesa ouvido pelo jornal The New York Times sugeriu que o anúncio faria parte de uma estratégia do presidente de desviar atenção de uma série de problemas que ganharam força nos últimos dias, como a investigação sobre a interferência russa nas eleições de 2016.

Em comunicado, a consultoria política Eurasia diz que a decisão não significa necessariamente uma saída completa dos EUA da Síria. Em primeiro lugar, lembra que a retirada completa de oficiais diplomáticos e militares leva tempo.

Depois, avalia que futuros ataques com armas químicas vão continuar sendo um gatilho para ação militar. Os soldados americanos também podem continuar assessorando os aliados, diz a Eurasia.

Para a Síria, porém, a saída pode deixar o ditador sírio, Bashar al-Assad, mais perto de retomar o controle do país. "Era o único obstáculo para o regime se expandir para o leste. [A saída] vai permitir a Assad usar a ameaça para forçar uma negociação de acordo com os curdos para capturar esses territórios."

A decisão americana foi vista como um aceno à Turquia após a libertação de um pastor americano de uma prisão turca, em outubro. A saída representa uma mudança de política. Em abril, o governo americano lançou uma ofensiva aérea contra a Síria, em represália a um suposto ataque químico que matou 40. A Casa Branca acusou Assad de ter ordenado o ato.

Veja também

América Latina e Caribe têm mais de meio milhão de mortos por Covid-19, aponta AFP
PANDEMIA

América Latina e Caribe têm mais de meio milhão de mortos por Covid-19, aponta AFP

Israel bombardeia Gaza em represália por disparos de foguetes palestinos
CONFLITO

Israel bombardeia Gaza em represália por disparos de foguetes palestinos