Trump é criticado após descrever processo de impeachment como 'linchamento'

O presidente dos EUA está sendo investigado pela Câmara dos Representantes, em um processo liderado pelos democratas para seu impeachment

Presidente dos Estados Unidos, Donald TrumpPresidente dos Estados Unidos, Donald Trump - Foto: Nicholas Kamm / AFP

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse nesta terça-feira (22) que a investigação que pode levar a um impeachment contra ele é um "linchamento", uma palavra relacionada a um período sombrio da escravidão no país.

"Todos os republicanos devem se lembrar do que estão testemunhando: um linchamento. Mas venceremos!", tuitou Trump.

Leia também:
Trump confirma indicação de diplomata como novo embaixador dos EUA no Brasil
Democratas exigem que Pentágono entregue arquivos para processo de impeachment

O comentário provocou reações imediatas. Kristen Clarke, presidente do Comitê Nacional de Advogados para os Direitos Civis nos termos da Lei, disse se sentir "enojada ao ver a grave apropriação indevida deste termo por parte de Trump".

Clarke lembrou que 4.743 pessoas foram linchadas nos Estados Unidos entre 1882 e 1968. Deste total, 3.446 eram negras.

"Os linchamentos foram crimes contra a humanidade e uma parte desagradável da história da violência racial em nossa nação", ressaltou.

Para o pré-candidato democrata Julián Castro, "é mais do que vergonhoso usar a palavra 'linchamento', porque ele é, de fato, responsável por suas ações".

Trump está sendo investigado pela Câmara dos Representantes, em um processo liderado pelos democratas para seu impeachment. A expectativa do presidente é que o Senado, dominado pelos republicanos, absolva-o, caso a oposição vote a favor de sua destituição.

Veja também

Os estragos do coronavírus comparados a outros vírus mortais
Coronavírus

Os estragos do coronavírus comparados a outros vírus mortais

Duas pessoas feridas por arma branca perto da antiga sede da revista Charlie Hebdo, em Paris
Mundo

Duas pessoas feridas por arma branca perto da antiga sede da revista Charlie Hebdo, em Paris