Trump está longe de ser o primeiro presidente protecionista dos EUA

Outros presidentes americanos recorreram ao protecionismo, especialmente integrantes do Partido Republicano

Donald TrumpDonald Trump - Foto: Jim Watson/AFP

Um presidente protecionista no reino do livre mercado: a nova direção que Donald Trump dá à economia dos Estados Unidos pode parecer incongruente, mas as restrições ao comércio têm uma longa história na Casa Branca.

Muito antes de Trump ameaçar a China e o México com barreiras comerciais, outros presidentes americanos recorreram ao protecionismo, especialmente integrantes do Partido Republicano, que hoje apoia fortemente a liberalização do comércio.

O venerado Ronald Reagan aumentou em 45% as tarifas sobre as motocicletas japonesas em 1983, num momento em que Washington acusava o Japão de inundar seu país com bens baratos.

Quatro anos depois, Reagan, que era o paladino do livre mercado em oposição à economia planejada da União Soviética, taxou algumas importações de televisões e computadores japoneses com 100% de impostos, depois de impor quotas de importação aos carros e ao aço do Japão.

Em 1971, o republicano Richard Nixon colocou fim ao padrão ouro - a convertibilidade americana neste metal - e impôs 10% de sobretaxas às importações para encorajar seus sócios comerciais a revalorizarem suas moedas.

Muro de impostos


Esquecidos após o triunfo da ideologia do livre comércio nos últimos 25 anos, estes golpes de protecionismo estão nas raízes do Partido Republicano.

"Desde sua fundação e durante décadas, o Partido Republicano foi o partido dos impostos altos baseado na ideia de que os Estados Unidos precisavam desenvolver sua capacidade industrial", explica o historiador Eric Rauchway, da Universidade da Califórnia.

Fundado em 1854, o 'Grand Old Party' era naquele momento próximo aos capitães da indústria do nordeste dos Estados Unidos, que buscavam se proteger contra as importações da Grã-Bretanha, a principal potência da época.

Com o controle da Casa Branca até pouco antes da Segunda Guerra Mundial, o partido criou um "muro de impostos" para proteger a nascente indústria americana, afirma Michael Lind, autor da história econômica americana "Land of Promise".

Esta política não careceu de opositores.

Apoiadas pelo Partido Democrata, as grandes plantações do sul - uma indústria baseada na escravidão - lutavam pelo livre comércio, que lhes permitiria vender algodão à Grã-Bretanha e importar equipamento industrial mais barato que o fabricado domesticamente.

No entanto, sob a liderança republicana, o protecionismo americano se arraigou na primeira metade do século XX, e se intensificou nos anos anteriores e durante a Grande Depressão.

A lei Smoot-Hawley de 1930 impôs tarifas sobre mais de 20.000 produtos importados, piorando os males do momento.

Algumas relíquias da época sobreviveram até o presente. A lei "Buy American" de 1933 obriga o governo federal a favorecer as compras de bens "Made in USA".

Com as bases da indústria europeia e japonesa devastadas devido à Segunda Guerra Mundial, os Estados Unidos se voltaram radicalmente rumo a um novo paradigma.

"A elite de negócios republicana e os industriais se voltaram ao livre comércio porque já não tinham concorrência. Naquele momento, os Estados Unidos tinham o monopólio das manufaturas", diz Lind.

Protecionismo defensivo


As correntes protecionistas reapareceram na década de 1970, quando a indústria do Japão e da Alemanha retomou impulso. Voltaram a ter força nos anos 80, quando os Estados Unidos sofreram uma profunda recessão entre 1980 e 1982.

"A ideia de que ante uma crise econômica deveríamos retornar a algum tipo de protecionismo sempre teve capacidade de sedução", considera Rauchway.

E, à medida que os Estados Unidos se tornaram mais fortes, o protecionismo mudou de aparência, menos preocupado em incubar a indústria local que em manter fora os produtos mais baratos.

Ao criticar a China e se retirar do Tratado de Associação Transpacífica (TPP), Trump parece ter adotado esta linha de pensamento.

"É o protecionismo defensivo que Trump está ressuscitando", concluiu Lind.

Veja também

Viúva do presidente assassinado do Haiti acusa seguranças por crime
Internacional

Viúva do presidente assassinado do Haiti acusa seguranças por crime

Biden afirma que novas restrições serão impostas nos EUA em função da Covid-19
VARIANTE DELTA

Biden afirma que novas restrições serão impostas nos EUA em função da Covid-19