Trump liga para parabenizar Putin e debater Coreia do Norte

A conversa, que segundo o Kremlin ocorreu a pedido dos EUA, tenta acabar com o mal estar gerado pela demora na ligação de Trump.

Presidente Trump incluiu oito países no vetoPresidente Trump incluiu oito países no veto - Foto: Mandel Ngan/AFP

O presidente americano Donald Trump ligou nesta terça-feira (20) para parabenizar o russo Vladimir Putin por sua reeleição no domingo (18). No conversa, os dois líderes debateram também sobre o programa nuclear norte-coreano.

O Kremlin afirmou ainda que foi discutida ainda a possibilidade de um encontro entre ambos, mas a Casa Branca disse que não há um plano específico para que isso aconteça. Não foram divulgados mais detalhes do diálogo.

A conversa, que segundo o Kremlin ocorreu a pedido dos EUA, tenta acabar com o mal estar gerado pela demora na ligação de Trump. Mesmo países críticos a Putin, como a Alemanha, já tinham o parabenizado pela vitória na eleição.

Por isso, o porta-voz do russo chegou a declarar na manhã desta terça que a falta de ligação não era um problema. "Isso não deve ser visto como um passo não amigável. Putin continua aberto para a normalização de relações com os parceiros dos EUA no que for de seu interesse. Seria um erro exagerar qualquer coisa. Por fim, sempre há o velho ditado: 'durma sobre isso'", disse Dmitri Peskov.

Após os dois conversarem, Peskov disse a jornalistas que os líderes não debateram a questão do ex-espião Serguei Skirpal, que foi envenenado na cidade britânica de Salisbury. Londres acusa Moscou pelo Crime, que nega envolvimento no caso.

Na segunda-feira (19), a Casa Branca disse que não estava surpresa com o resultado do pleito e que não havia planos de contato entre o presidente americano e seu colega russo.

Na última quinta (22), Washington anunciou uma nova rodada de sanções contra a Rússia por sua interferência na eleição de 2016. O assunto não entrou na conversa desta terça, segundo a Casa Branca.

Leia também: 
Putin consegue vitória esmagadora e permanecerá no poder até 2024
Trump vai pedir pena de morte para traficantes de drogas

Na noite de segunda, o presidente francês, Emmanuel Macron, deu seu parabéns algo constrangido a Putin. Isso porque Paris apoia Londres na disputa sobre o caso de Serguei Skripal, o ex-agente duplo russo envenenado numa cidade inglesa com sua filha.

O Reino Unido acusa a Rússia e tomou medidas como a expulsão de diplomatas, o que foi retaliado na mesma medida por Moscou. Para contemporizar, Macron incluiu uma cobrança por explicações sobre o episódio em sua mensagem.

A manifestação de Macron obedece à lógica do bolso. O presidente visitará a Rússia em março com uma grande comitiva de empresários, que pretendem reforçar os laços comerciais com Moscou -as sanções ocidentais à Rússia devido à anexação da Crimeia da Ucrânia em 2014 são aplicadas basicamente a indivíduos e algumas empresas em áreas específicas.

A mais importante liderança europeia, a chanceler alemã Angela Merkel, também demorou mas acabou por enviar suas congratulações a Putin ainda na segunda.
O russo teve 76,7% dos votos no pleito, um recorde pessoal atribuído à previsibilidade do sistema político russo, que segundo a Organização para Segurança e Cooperação na Europa não permite "competição real".

Além disso, houve fraudes de manipulação de urnas registradas no sistema de vigilâncias das seções eleitorais. Até aqui, a Comissão Eleitoral Central anulou a votação em sete postos de votação -de 97 mil pelo país.

Veja também

Brasileira está entre as vítimas de atentado na França, informa Itamaraty
internacional

Brasileira está entre as vítimas de atentado na França

Glenn Greenwald acusa Intercept de censura e anuncia saída do site
censura

Glenn Greenwald acusa Intercept de censura e anuncia saída do site