Trump ordena congelamento total de ativos do regime Maduro

De acordo com o Wall Street Journal, trata-se da primeira medida do tipo imposta pelos EUA em mais de 30 anos no Hemisfério Ocidental

Donald TrumpDonald Trump - Foto: Saul Loeb/AFP

O presidente Donald Trump assinou nesta segunda-feira (5) uma ordem executiva que congela todos os bens do regime do ditador Nicolás Maduro nos EUA. Equivalente a uma medida provisória brasileira, a ação é anunciada na véspera de cúpula do Grupo de Lima sobre a Venezuela.

"Todas as propriedades e interesses em propriedades do governo da Venezuela que estejam nos EUA estão bloqueados e não podem ser transferidos, pagos, exportados, retirados ou de alguma maneira usados", afirma o texto.

De acordo com o Wall Street Journal, trata-se da primeira medida do tipo imposta pelos EUA em mais de 30 anos no Hemisfério Ocidental.

Leia também:
EUA têm plano para crescimento econômico da Venezuela, diz secretário
Mujica diz que Venezuela vive uma ditadura e que só cabe ao país resolvê-la

Ainda segundo o jornal, a medida coloca o país sul-americano no mesmo patamar de nações como Coreia do Norte e Irã em termos de imposição de sanções.

Segundo uma fonte do governo americano ouvida pelo WSJ, os EUA se aproximam de impor um embargo total à Venezuela.

Em medida que deve ser anunciada na terça, os EUA devem ameaçar impor sanções sobre qualquer companhia ou indivíduo, estrangeiro ou americano, que faça negócios ou ofereça apoio a qualquer pessoa afiliada ao governo Maduro.

De acordo com essa fonte, as remessas feitas por venezuelanos a seus familiares serão protegidas.

O governo Trump tem aumentado a pressão com o objetivo de retirar Maduro do poder. Desde o acirramento da crise política venezuelana neste ano, os EUA já impuseram sanções a mais de cem indivíduos e entidades da Venezuela, incluindo a estatal petroleira Pdvsa.

Na reunião desta terça, em Lima, estarão presentes o secretário de Comércio dos EUA, Wilbur Ross, e o conselheiro de segurança nacional, John Bolton.

Também participarão o Brasil, a União Europeia e representantes de cerca de 60 países.

Veja também

Nicarágua rejeita relatório do Conselho de Direitos Humanos da ONU
ONU

Nicarágua rejeita relatório do Conselho de Direitos Humanos da ONU

Situação na Europa preocupa apesar de restrições para conter pandemia
Coronavírus

Situação na Europa preocupa apesar de restrições para conter pandemia