Mundo

Trump quer tornar o Brasil um aliado preferencial fora da Otan

Status de aliado preferencial extra-Otan facilitaria o acesso do Brasil a armamento americano, entre outras vantagens

O presidente dos EUA, Donald Trump, acena ao receber o presidente brasileiro Jair Bolsonaro na Casa Branca em WashingtonO presidente dos EUA, Donald Trump, acena ao receber o presidente brasileiro Jair Bolsonaro na Casa Branca em Washington - Foto: Jim Watsomn/AFP

O presidente americano, Donald Trump, notificou nesta quarta-feira (8) o Congresso sobre sua intenção de designar o Brasil um aliado preferencial fora da Otan, uma ideia que já tinha proposto durante a visita a Washington de Jair Bolsonaro.

"Estou notificando da minha intenção de designar o Brasil um aliado preferencial fora da Otan", declarou Donald Trump em uma carta.

O status de aliado preferencial extra-Otan facilitaria o acesso do Brasil a armamento americano, entre outras vantagens. Somente 17 países estão nesta categoria, inclusive a Argentina, desde 1998.

Leia também:
Aprovação de Trump atinge 46%
Trump diz que atuará para incluir Brasil na OCDE

"Estou efetuando essa designação em reconhecimento aos recentes compromissos do governo do Brasil para aumentar a cooperação em defesa com os Estados Unidos e em reconhecimento de nossos próprios interesses em aprofundar nossa coordenação em defesa com o Brasil", destacou Trump na carta.

A Otan tem 29 países-membros. Nenhum dele é da América Latina ou do Atlântico Sul. Por outro lado, a Colômbia é, desde o ano passado, o único parceiro global da Otan na América Latina.

Em 19 de março, quando Trump mencionou essa ideia em uma entrevista coletiva com o presidente Bolsonaro no jardim da Casa Branca, advertiu que o caminho seria longo. "Tenho que falar com muita gente", justificou Trump na ocasião.

Veja também

Contágios da varíola do macaco geram preocupação na Europa
Saúde

Contágios da varíola do macaco geram preocupação na Europa

Dezenas de países se comprometem na ONU a melhorar tratamento de migrantes
Acordo internacional

Dezenas de países se comprometem na ONU a melhorar tratamento de migrantes