A-A+

Trump revela plano de paz para o Oriente Médio

Projeto é rejeitado pelos palestinos, que o consideram pró-Israel

Presidente dos Estados Unidos, Donald TrumpPresidente dos Estados Unidos, Donald Trump - Foto: WIN MCNAMEE / GETTY IMAGES NORTH AMERICA / AF

O presidente dos Estados Unidos (EUA), Donald Trump, anunciou o seu plano de paz para o Oriente Médio. "É o acordo do século", disse. Entretanto, palestinos já se posicionaram fortemente contra o plano, declarando que ele reflete o posicionamento pró-Israel de Trump.

O plano, que foi apresentado nessa terça-feira (28), propõe a criação de um estado da Palestina que coexista com Israel. O acordo visa a pôr fim a décadas de conflito entre israelenses e palestinos.

Leia também
Trump limitará vistos para grávidas para frear 'turismo de maternidade'
Ex-vice-presidente dos EUA chama Bolsonaro de ‘Trump dos trópicos’
Impeachment de Trump começa a ser julgado no Senado


De acordo com o plano, Israel teria controle sobre a totalidade de Jerusalém como sua capital. O plano também propõe a criação de uma capital da Palestina na periferia a leste de Jerusalém, do lado de fora de um muro construído por Israel.

A proposta de Trump reconhece a maior parte dos assentamentos israelenses na Cisjordânia como parte do território de Israel.

O presidente fez discurso durante cerimônia realizada na Casa Branca, que contou com a presença do primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu. Trump afirmou que vê uma oportunidade vantajosa para as duas partes. Netanyahu disse a Trump que "o acordo é a oportunidade do século", acrescentando que Israel não irá deixá-lo passar.

O presidente da Palestina, Mahmoud Abbas, rejeitou fortemente a proposta. Disse que Jerusalém não está à venda, descrevendo o acordo como uma conspiração que não será aceita.

O presidente dos Estados Unidos (EUA), Donald Trump, anunciou o seu plano de paz para o Oriente Médio. "É o acordo do século", disse. Entretanto, palestinos já se posicionaram fortemente contra o plano, declarando que ele reflete o posicionamento pró-Israel de Trump.

O plano, que foi apresentado nessa terça-feira (28), propõe a criação de um estado da Palestina que coexista com Israel. O acordo visa a pôr fim a décadas de conflito entre israelenses e palestinos.

De acordo com o plano, Israel teria controle sobre a totalidade de Jerusalém como sua capital. O plano também propõe a criação de uma capital da Palestina na periferia a leste de Jerusalém, do lado de fora de um muro construído por Israel.

A proposta de Trump reconhece a maior parte dos assentamentos israelenses na Cisjordânia como parte do território de Israel.

O presidente fez discurso durante cerimônia realizada na Casa Branca, que contou com a presença do primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu. Trump afirmou que vê uma oportunidade vantajosa para as duas partes. Netanyahu disse a Trump que "o acordo é a oportunidade do século", acrescentando que Israel não irá deixá-lo passar.

O presidente da Palestina, Mahmoud Abbas, rejeitou fortemente a proposta. Disse que Jerusalém não está à venda, descrevendo o acordo como uma conspiração que não será aceita.

Veja também

Tribunal declara ex-sócio de advogado de Trump culpado por financiamento ilegal de campanha
Estados Unidos

Tribunal declara ex-sócio de advogado de Trump culpado por financiamento ilegal de campanha

Arábia Saudita deseja alcançar a neutralidade de carbono até 2060
Clima

Arábia Saudita deseja alcançar a neutralidade de carbono até 2060