Unesco adota controversa resolução sobre Jerusalém Oriental

Israel já havia anunciado, na semana passada, a suspensão de sua cooperação com a Unesco depois da primeira votação

Projeto voltará a ser apreciado pelo colegiado no dia 16Projeto voltará a ser apreciado pelo colegiado no dia 16 - Foto: João Bita/Alepe

A Unesco adotou formalmente uma resolução sobre Jerusalém Oriental promovida por países árabes em nome da proteção do patrimônio cultural palestino, mas muito criticada por Israel que, segundo alega, nega o vínculo milenar entre judeus e os lugares santos.

O texto, proposto pela Argélia, Egito, Líbano, Marrocos, Omã, Catar e Sudão foi examinado pelos 58 membros do Conselho Executivo da organização para a paz e a cultura da ONU.

Israel anunciou na semana passada a suspensão de sua cooperação com a Unesco depois que, em uma primeira votação, duas resoluções propostas pelos sete países árabes foram adotadas.

Estas resoluções se referem à "Palestina ocupada" e criticam a gestão, por parte de Israel, dos sítios religiosos disputados com os palestinos. Israel considera, além disso, que a forma com que a Unesco denomina estes sítios são uma negação do vínculo milenar entre judeus e Jerusalém.

Jerusalém Oriental é a parte palestina de Jerusalém ocupada desde 1967 por Israel, e anexada posteriormente, e que os palestinos querem que seja a capital de seu futuro Estado.

É onde se encontra a ultrassensível Esplanada das Mesquitas, terceiro local santo do Islã, e o lugar mais sagrado para os judeus, que chamam de Monte do Templo. Nesse ponto, foi erguido o segundo templo judeu destruído pelos romanos no ano 70. A Unesco faz referência a essa área apenas como Esplanada das Mesquitas, o que incomoda Israel.

Israel também critica que se designe por seu nome árabe, Al Buraq, que os israelenses chamam de Muro das Lamentações.

Veja também

Após morte de George Floyd, capas de revistas com negros disparam
EUA

Após morte de George Floyd, capas de revistas com negros disparam

Pandemia implode sistema de testes, e Alemanha e França reimpõem bloqueios
Coronavírus

Pandemia implode sistema de testes, e Alemanha e França reimpõem bloqueios